1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Fraude custa cabeça de alto funcionário do governo

Escândalo da concessão de contratos irregulares leva governo a demitir presidente da Agência Federal de Trabalho.

default

Contra Florian Gerster já corre inquérito desde dezembro

O ministro alemão da Economia, Wolfgang Clement, destituiu Florian Gerster da presidência da Agência Federal de Trabalho (BA), acatando a decisão do conselho administrativo do órgão. O conselho, integrado por 21 representantes do governo, da indústria e de sindicatos, retirou neste sábado (24) o voto de confiança que sustentava Florian Gerster na cúpula da instituição. Numa reunião extraordinária realizada em Nurembergue, o conselho se distanciou do alto funcionário acusado de fechar contratos ilícitos com firmas de publicidade.

Dois casos evidentes - Entre os 49 contratos submetidos a inspeção, dez eram pelo menos dúbios, sendo que - em dois casos - houve uma clara violação da lei. Uma contratação - por exemplo - foi selada em dois documentos, sendo que o volume de pagamento do segundo era sensivelmente superior ao do primeiro contrato básico. No segundo caso, trata-se de uma contratação feita fora dos moldes legais de concorrência pública.

Sucessores na mira - De acordo com a revista Spiegel, desde início de dezembro do ano passado está correndo um inquérito contra Gerster. A promotoria pública de Nurembergue-Fürth estaria investigando a acusação de fraude na concessão de contratos a firmas de publicidade. A revista também noticiou que o governo alemão já estaria procurando um sucessor para Florian Gerster; entre os candidatos mais prováveis estariam o secretário de Estado do Ministério da Agricultura Alfred Tacke, bem como o alto funcionário da Telekom Heinz Klinkhammer.

Demissão milionária- Segundo relatos da revista Focus, em caso de uma destituição do cargo, Gerster continuará recebendo durante três meses o salário integral de mais de vinte mil euros e, pelo próximos 35 meses, até o término de seu contrato, a metade deste valor. Isso significaria que a demissão de Gerster custaria aos cofres públicos quase 430 mil euros.

Leia mais