1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Franciscanos de Belém fazem apelo a Bush e Fischer

Ordem religiosa pede intervenção para acabar com violência na Terra Santa. Presidente norte-americano exige retirada das tropas israelenses da Palestina.

A Ordem dos Franciscanos de Belém, dirigida por um frei alemão, fez nesta quinta-feira (4), um apelo urgente ao presidente dos Estados Unidos, George Bush, e ao ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Joschka Fischer, pedindo o fim dos violentos combates na Terra Santa. Coincidência ou não, no final da tarde, Bush exigiu a retirada da tropas israelenses da Palestina e anunciou o envio do secretário de Estado, Colin Powell, à região, na próxima semana.

Cerca de 40 membros da ordem encontram-se no mosteiro de Belém, próximo à Igreja da Natividade, um dos principais focos dos combates entre israelenses e palestinos. Os franciscanos protegem os lugares santos na Palestina em nome da Igreja Católica, há 650 anos. Em carta divulgada pela Agência Católica de Notícias (KNA), o superior geral da congregação, frei Giacomo Bini, pediu a Bush o fim imediato da violência em Belém e outras partes da Terra Santa. "Faço esse apelo em nome dos monges franciscanos sitiados na Igreja da Natividade e também dos moradores cristãos e muçulmanos da cidade", escreveu.

Negociação - Segundo Bini, Bush é o único político capaz de por um fim imediato à espiral da violência. O franciscanos estão convictos de que o conflito só poderá ser resolvido pelo caminho da negociação, "por mais longo e doloroso que ele seja". Eles pedem a Bush que insista numa retomada do diálogo entre israelenses e palestinos.

Em outra carta, o provincial franciscano Norbert Plogmann pediu ao ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer, que aumente os esforços para uma solução pacífica do conflito. "Estou profundamente preocupado com os moradores da cidade e os irmãos franciscanos. É incrível que o lugar simbólico do nascimento do príncipe da paz tenha sido envolvido num conflito militar", escreveu.