1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

França proíbe símbolos religiosos nas escolas

França abre precedente na Europa ao proibir símbolos religiosos "ostensivos" nas escolas públicas. Observadores temem que nova lei, a ser aplicada em caráter experimental por um ano, dificulte integração no país.

default

Meninas não poderão mais ir de véu à aula

A Assembléia Nacional da França aprovou nesta terça-feira (10) o controverso projeto de lei que proíbe o uso de símbolos religiosos "ostensivos" nas escolas.

Em votação nominal, 494 parlamentares da situação e da oposição socialista aprovaram o projeto de lei apresentado pelo governo conservador. O número de votos contra foi de 36, enquanto 31 se abstiveram. A nova lei será aplicada em fase experimental durante um ano, a partir do próximo ano letivo.

O texto da lei havia sido assinado pelo presidente Jacques Chirac a 17 de dezembro do ano passado, com base nas conclusões da "comissão para refletir sobre o laicismo", por ele instituída. Os peritos concluíram ser uma contradição num país laicista que mais de 1200 meninas freqüentassem as escolas francesas usando véu islâmico no mês de referência − setembro. Não há professoras muçulmanas usando véu nesses estabelecimentos.

Símbolos discretos são permitidos

A separação entre Estado e religião é garantida por lei na França desde 1905. A escola é "um santuário republicano" e "continuará sendo laica", e para isso é necessária uma lei que proíba o "uso de roupas ou símbolos religiosos que expressem ostensivamente a crença religiosa", declarou Chirac.

Redigida pelo ministro da Educação, Luc Ferry, a lei impede os "sinais e vestes que manifestem ostensivamente a orientação religiosa dos alunos". Ela atinge, além do véu islâmico, a kipá (solidéu judaico), os turbantes usados pelos sikhs e as cruzes cristãs de grandes dimensões (símbolos discretos, como medalhas ou pingentes, continuam permitidos).

Protestos de vários lados

A França é o país europeu com a maior comunidade muçulmana − mais de 3 milhões de pessoas −, que convivem ao lado de 700 mil judeus e 3 mil sikhs. A elaboração dos três artigos do texto já havia sido motivo de polêmica em várias cidades da França, com manifestações nas ruas contra e a favor da proibição.

O presidente do Conselho Islâmico francês reclamou em carta pública que a lei discrimina os muçulmanos. Também o rabino-mor da França, Joseph Sitruk, advertiu que a proibição impede a integração religiosa. Três das quatro principais entidades de classe do setor educacional já haviam criticado o que chamam de "estigmatização" implícita na proibição.

O véu muçulmano é um dos símbolos do credo islâmico mais controvertidos na Europa. Os críticos vêem nele um sinal de opressão às mulheres e da ideologia política do extremismo islâmico. Já para muitos, o véu é uma forma de expressar a religiosidade individual.

Assunto polêmico também na Alemanha Em muitos países árabes, a mulher é obrigada a cobrir a cabeça. Mas a Turquia, país islâmico de Estado laicista, proíbe o uso do véu em escolas públicas da mesma forma como agora previsto na França. A polêmica ocupou vários países europeus no ano passado, inclusive a Alemanha.

Um caso, inclusive, exigiu o posicionamento do Tribunal Constitucional Federal. Trata-se de uma professora muçulmana impedida de lecionar com o véu na cabeça. Os juízes decidiram ser competência dos estados criar uma legislação que proíba seu uso. Os governos de Baden-Württemberg, Baviera, Hessen, Berlim, Brandemburgo, Bremen, Baixa Saxônia e Sarre já anunciaram que pretendem elaborar legislação neste sentido. Já a proibição do véu a escolares não está em debate na Alemanha.

Leia mais