França exerceu papel decisivo na formação da história do Haiti | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 29.01.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

França exerceu papel decisivo na formação da história do Haiti

Em 1994, tropas norte-americanas derrubaram a ditadura militar no Haiti. Antes disso, contudo, o Haiti havia sido por mais de 100 anos colônia francesa: um período decisivo para a história do país.

default

Passado colonial é importante para entender o país hoje

Anteriormente conhecido como "a pérola das Antilhas", o Haiti era, há 200 anos, a mais rica entre as colônias francesas. No passado, a ilha era o maior exportador de cana-de-açúcar do mundo, embora os lucros com o comércio fossem parar sempre nas mãos da metrópole.

No período colonial, aproximadamente 80 mil escravos africanos trabalharam arduamente nas plantações de cana-de-açúcar e café, sob péssimas condições de trabalho. Muitos deles morriam precocemente. Para manter estável o número de trabalhadores ativos, a França importava mais de 50 mil escravos por ano para o Haiti.

Ecos da Revolução Francesa

Essa situação, contudo, mudou após a Revolução Francesa. Nos ouvidos dos escravos, ecoava a mensagem de "liberdade, igualdade e fraternidade", o que fez com que estes também se rebelassem. Após várias insurreições, o Haiti se tornou independente no ano de 1804. Isso fez com que a França estabelecesse um embargo econômico contra o país.

Em 1825, o governo francês exigiu 150 milhões de francos do Haiti como indenização para o fato de que a França não lucrava mais com as riquezas naturais da ex-colônia. Em contrapartida, Paris se propunha a suspender o embargo econômico antes imposto.

Embora a soma desse ressarcimento pago pelo Haiti à França tenha em algum momento sido reduzida para 90 milhões de francos, o país precisou de nada menos que 122 anos para quitar suas dívidas.

Dívidas enormes

Segundo vários especialistas, esse é exatamente o dinheiro que faltou para a construção de um Estado que funcionasse e para o fortalecimento de uma estrutura econômica sólida. No ano de 2004, o Haiti pediu ao governo francês uma devolução de 16 bilhões de euros, uma reivindicação contestada e considerada por Paris como "desproporcional".

Somente após o terremoto que assolou o país é que a França parece ter se sensibilizado de alguma forma para os problemas do Haiti. Desde então, a ministra francesa das Finanças, Christine Lagarde, defende uma moratória de todas as dívidas do país. O governo francês anunciou um perdão de 4 milhões do total de 54 milhões de euros de dívidas do Haiti, soma repassada ao governo em Porto Príncipe nos últimos anos.

Autora: Natalie Glanville-Wallis (sv)

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais