França envia ex-ditador Noriega de volta ao Panamá | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.12.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

França envia ex-ditador Noriega de volta ao Panamá

Após mais de 20 anos em prisões estrangeiras, ex-ditador panamenho Manuel Noriega embarcou na França de volta ao Panamá, onde deverá cumprir penas por crimes cometidos em seu governo.

Ex-ditador Manuel Noriega

Ex-ditador Manuel Noriega

Após mais de 20 anos vivendo em prisões estrangeiras, o ex-ditador panamenho Manuel Noriega embarcou neste domingo (11/12) de volta ao Panamá, depois de ser extraditado pela França.

Segundo a imprensa francesa, Noriega, de 77 anos, partiu do aeroporto Paris Orly a bordo de um avião da companhia aérea espanhola Iberia.

A pedido do Panamá, o tribunal de apelações de Paris, aprovou no fim de novembro a entrega de Noriega às autoridades judiciais panamenhas. O presidente do Panamá, Ricardo Martinelli, disse na ocasião que Noriega seria transferido imediatamente para a prisão após sua chegada. Segundo Martinelli, o general já cumpriu grande parte de sua pena, mas “há muitas pessoas que não o querem perdoar”.

Em abril de 2010, o ex-ditador foi transferido para a França dos EUA, onde havia cumprido 20 anos de prisão, por tráfico de drogas entre outros crimes. Na França, ele foi condenado a sete anos de prisão por lavagem de dinheiro. Os juízes consideraram como comprovado que o ex-general investiu nos anos 80 em caros imóveis na França com o dinheiro do narcotráfico. Noriega sempre defendeu sua inocência.

No Panamá, Noriega foi condenado nos anos 90, à revelia, pelo assassinato de dois opositores na década de 80, sentenciado a 20 anos de prisão em cada caso. Além disso, outros processos judiciais o aguardam em seu país.

"Cara de abacaxi"

In this image from video from WSVN-TV, former Panamanian dictator Manuel Noriega, wearing hat, right, arrives at Miami International Airport in Miami to board an Air France flight to Paris on Monday, April 26, 2010. (AP Photo/WSVN-TV) ** NO SALES MANDATORY CREDIT **

Noriega (de chapéu), foi extraditado para a França em 2010

O ex-general, cujo rosto marcado por cicatrizes de varíola lhe rendeu o apelido de "cara de abacaxi", pode entrar com pedido para deixar a cadeia, com base em uma lei panamenha que permite que prisioneiros de mais de 70 cumpram o resto de suas penas em prisão domiciliar.

Noriega foi derrubado do poder por uma invasão militar dos Estados Unidos, iniciada em 20 de dezembro de 1989, e foi considerado por Washington como "prisioneiro de guerra". Entretanto, o governo panamenho não aceita essa definição e o destituiu da patente através de decreto.

Na folha de pagamento da CIA

Noriega foi cooptado pelo serviço secreto norte-americano ainda quando era um jovem oficial e, com ajuda dos EUA, subiu até o posto de homem forte do Panamá em 1983, após o então ditador militar Omar Torrijos ter morrido em um misterioso acidente aéreo. Ele governou o Panamá até 1989.

A invasão de 1989 que derrubou Noriega foi um dos eventos mais amargamente debatidos dos anos de declínio da Guerra Fria. Durante os anos 70 e 80, Noriega cooperou estreitamente com a CIA, ajudando os EUA a combater os movimentos de esquerda na América Latina, fornecendo informações e ajuda logística. Ele também atuou como um canal de comunicações dos EUA com governos hostis, como Cuba.

O ditador esteve na folha de pagamentos da CIA de 1968 a 1986, quando caiu em descrédito em relação a Washington, entre outros motivos, por causa de sua ligação com o narcotráfico internacional. Noriega cooperava com o cartel colombiano de drogas de Medellín e ganhou milhões traficando cocaína para os Estados Unidos.

MD/afp/ap/dpa
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais

Links externos