1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

França controlará fronteiras durante Conferência do Clima

Ministro do Interior usa como justificativa para medida temporária risco de ataques terroristas e protestos violentos por ocasião do encontro em Paris. Organizadores estimam que 40 mil pessoas participarão do evento.

O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, confirmou nesta sexta-feira (06/11) que o país vai "restabelecer os controles nas fronteiras" durante um mês por ocasião da 21ª Conferência do Clima (COP21), em Paris, a ser realizada entre 30 de novembro e 11 de dezembro.

Cazeuneuve usou como justificativa para a medida o "contexto de ameaças terroristas" e a possibilidade de protestos violentos num momento em que se reunirão uma série de delegações e chefes de Estado e de governo – incluindo os presidentes dos EUA, Barack Obama, e da China, Xi Jinping.

O ministro afirmou que as regras do espaço Schengen – de livre circulação entre países-membros – podem ser suspensas temporariamente "em circunstâncias especiais", como a conferência, o que outros países já fizeram por ocasião de eventos do tipo ou da atual crise migratória.

Cazeneuve não especificou quão rígido será o controle nas fronteiras e como ele será efetuado. A medida deverá ser executada entre 13 de novembro e 13 de dezembro.

Organizadores estimam que ao menos 40 mil pessoas participem da COP21, acompanhadas de dezenas de milhares de ativistas ambientais, de direitos humanos e de outros grupos. Uma grande marcha está prevista para o dia 29 de novembro na capital francesa, além de outras manifestações menores.

O objetivo da conferência é definir um ambicioso acordo internacional para a redução de emissões de poluentes e evitar o aquecimento do planeta em mais de 2ºC, o que teria consequências dramáticas devido à elevação do nível dos oceanos.

A expectativa sobre os resultados da COP21 é grande. Nela espera-se que seja assinado o maior acordo climático do mundo, que deve entrar em vigor em 2020, com a adesão de 196 países. O novo acordo substituirá o malfadado Protocolo de Kyoto, que entrou em vigor em 2005 e teve resultados muito aquém do esperado.

LPF/ap/afp/efe

Leia mais