1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

França aumenta alerta após ataques no Mali e na Somália

Intervenção militar no Mali provoca mais de 100 mortes e pelo menos 18 são confirmadas após resgate fracassado na Somália. Insurgentes dizem que ações colocam em risco a vida de franceses em "todo o mundo árabe".

O presidente da França, François Hollande, aumentou o alerta no país neste sábado (12/01) por conta da intervenção militar que o país desencadeou no Mali e de uma ação de resgate de um refém na Somália. Hollande pediu ao primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, que amplie a proteção de prédios e do setor de transporte público.

Militares franceses realizaram ataques aéreos contra rebeldes islâmicos na região central de Mali e destacaram tropas para proteger a capital Bamaco neste segundo dia de intervenção militar. Com os ataques, o governo do país africano conseguiu recuperar o comando da importante cidade de Konna. Os confrontos, porém, deixaram o saldo de pelo menos 100 mortos, incluindo rebeldes e soldados franceses.

O grupo insurgente Ansar Dine disse neste sábado que a continuidade dos ataques coloca em risco a vida de cidadãos e reféns franceses que estão em poder da milícia. "Há consequências não apenas para os reféns, mas também para os cidadãos franceses em qualquer parte do mundo árabe", afirmou Sanda Ould Boumama, porta-voz do grupo. "Vamos continuar resistindo e nos defendendo. Estamos prontos para morrer lutando".

Fighters of the Islamic group of Ansar Dine stand in Kidal as Burkina Faso's foreign Minister Djibrille Bassole meets with the Islamic group leader on August 7, 2012. An Islamist leader who wants to see Mali adopt sharia law vowed on August 7 to support regional mediation efforts to resolve the political crisis in the ruptured west African nation. AFP PHOTO / ROMARIC OLLO HIEN (Photo credit should read ROMARIC OLLO HIEN/AFP/GettyImages)

Rebeldes do grupo Ansar Dine

O governo francês já recomendou aos 6 mil cidadãos franceses que vivem no Mali a deixar o país. Por diversas vezes o governo em Paris retratou a situação no país africano como uma ameaça à segurança internacional.

Situação "sob controle"

De acordo com o Exército de Mali, a situação no país está "sob controle", mas as Forças Armadas ainda atacam pontos de resistência. Ainda na sexta-feira, pouco depois de Hollande ter anunciado a intervenção militar na antiga colônia africana, o presidente interino de Mali, Dioncounda Traore, declarou estado de emergência no país.

A Nigéria também afirmou que enviará uma equipe técnica da Aeronáutica para Mali. Comandantes enviados pelos membros do bloco da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental vão chegar a Bamaco nas próximas horas.

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, tem um encontro agendado com o presidente francês, François Hollande, em Paris ainda neste sábado para discutir a intervenção militar. Em Londres, o primeiro-ministro David Cameron declarou apoio às tropas francesas em Mali e disse que a situação inspira preocupação.

Resgate fracassado na Somália

On 9 Jun. 2010, MYM's al-Kataib released a 5'03 video showing French security advisor Denis Allex who was kidnapped in Mogadishu on 14 Jul. 2009. Allex speaks in French to the people of France and is seen in two different scenes. This marks the first time that MYM has released a hostage video and opens the door to the group placing additional emphasis on taking hostages. The above may be quoted with attribution to IntelCenter. A high-quality Quicktime NTSC version of the video is available to broadcasters via FTP upon request by email. NOTE: Permission is granted to use the attached still(s) in print, broadcast and Internet media as long as the IntelCenter bug is not cropped or obstructed and they carry a mandatory credit notice for IntelCenter. No resale of the video or stills is allowed. If web links are used they should point tohttp://www.intelcenter.com.

Governo francês acredita que Denis Allex, refém na Somália, foi morto pelos insurgentes

A operação fracassada para libertação de um agente secreto francês na Somália terminou com a morte de pelo menos 18 pessoas – um soldado francês e 17 insurgentes do grupo Al Shabaab. Apesar de o comando rebelde garantir que Denis Allex, refém desde 2009, está vivo, o governo em Paris acredita que ele tenha sido morto pelos sequestradores durante o confronto.

Segundo o ministro francês de Defesa, Jean-Yves Le Drian, a missão foi desencadeada por conta da "intransigência dos terroristas, que se recusam a negociar há três anos e meio". Oito cidadãos franceses estão nas mãos de rebeldes islâmicos na área do Sahel, onde há forte influência de grupos terroristas ligados ao Al Qaeda. E a França usava essa razão para justificar sua relutância em intervenções militares na região com base na segurança desses reféns.

MSB/dpa/dapd/rtr
Revisão: Fernando Caulyt

Leia mais