Fracassa teste de míssil da Coreia do Norte | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Fracassa teste de míssil da Coreia do Norte

Armamento de médio alcance, do modelo Musudan, seria capaz de atingir bases dos EUA no Pacífico Norte. EUA e aliados condenam exercício.

Militares americanos e sul-coreanos afirmaram nesta quinta-feira (20/10) que a Coreia do Norte tentou realizar, sem sucesso, o lançamento de mais um míssil de médio alcance capaz de atingir as bases dos EUA localizadas na ilha de Guam, no Pacífico Norte.

Segundo um comunicado, o armamento explodiu logo após ser lançado às 6h30 local (20h de quarta-feira, no horário de Brasília).

O teste foi feito horas depois de a Coreia do Sul e os EUA concordarem em intensificar os esforços para combater as ameaças nucleares e de mísseis de Pyongyang. O míssil testado foi um Musudan, lançado da cidade de Kusong, no noroeste do país, onde o governo norte-coreano não teve sucesso, no sábado, ao tentar lançar o mesmo tipo de míssil. 

"Nós condenamos energicamente a continuação dos atos ilegais de provocação da Coreia do Norte", afirmaram num comunicado os militares de EUA e Coreia do Sul.

O Musudan foi apresentado pela primeira vez por Pyongyang em outubro de 2010 durante um desfile militar. O armamento tem alcance de entre 2.500 e 4 mil quilômetros, e capacidade de atingir alvos na Coreia do Sul e no Japão, além da ilha de Guam.

Esta foi a oitava tentativa da Coreia do Norte em sete meses em lançar um míssil que pode ser disparado por lançadores móveis. O quinto lançamento, realizado em junho, foi o que apresentou êxito: um míssil Musudan voou cerca de 400 quilômetros até cair no Mar do Japão.

O Japão condenou a operação e disse que realizará queixas formais à Coreia do Norte por meio da embaixada norte-coreana em Pequim.

Pyongyang tem realizado neste ano atividades relacionadas com seus programas nucleares e de mísseis a um ritmo sem precedentes, mesmo com sanções das Nações Unidas e a pressão diplomática do Ocidente.

FC/efe/lusa/rtr/afp

Leia mais