1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Fracassa tentativa do G8 para conferência de paz

Os ministros das Relações Exteriores do grupo dos sete países mais ricos e a Rússia (G8) não conseguiram chegar a um acordo, no Canadá, sobre um plano concreto para uma conferência de paz para o Oriente Médio.

default

O alemão Joschka Fischer ladeado pelos colegas americano Colin Powell (d) e o italiano Giovanni Castellaneta

Enquanto isso em Jerusalém, Israel anunciou uma decisão que poderá agravar ainda mais o conflito com os palestinos: começará no domingo (16) a construção de uma barricada ao longo do território palestino autônomo da Cisjordânia. A obra com o fim de impedir a entrada de terroristas palestinos em Israel será constituída de muros e trincheiras, que serão equipados com equipamentos eletrônicos de vigilância, segundo anunciou o ministro israelense da Defesa, Benjamin Ben Elieser, nesta sexta-feira (14).

Um trecho de 110 quilômetros, entre os lugarejos de Kfar Kassen e Kfar Salem, deverá ficar pronto dentro de seis meses. Depois deverá ser erguida uma obra ao longo de todos os 350 quilômetros de fronteira verde entre Israel e a Cisjordânia. Nabil Abu Rudeina, conselheiro do presidente palestino Yasser Arafat, disse que o muro protetor vai atiçar ainda mais o conflito. A condição para uma solução pacífica, segundo ele, seria a retirada do Exército israelense dos territórios autônomos, o fim dos ataques contra palestinos e a criação de um Estado palestino independente.

Apesar da falta de acordo dos ministros do G-8 na sua reuniu de preparativos para a cúpula dos chefes de Estado e de governos dos países mais importantes do mundo, no final de junho, o chanceler alemão Joschka Fischer, esclareceu que ele e muitos colegas são a favor de que comece logo uma conferência de paz para o Oriente Médio, desde que existam as condições. Significa, segundo Fischer, que as várias iniciativas surgirdas têm de ser aproveitadas, porque do contrário o terror vai sobrepor-se à agenda e isso implica um potencial enorme de escalada da violência.

O colega japonês de Fischer, Yoriko Kawaguchi, citou como condições para a conferência de paz a restauração da segurança de israel, garantia de nova ajuda para a reconstrução dos territórios palestinos e a vontade política de todos, sobretudo do governo israelense.

O representante dos Estados Unidos, Collin Powell, rechaçou as críticas que classificaram como obscura a política do seu país para o Oriente Médio. Ele lembrou que o presidente George W. Bush, já falou da criação de um Estado palestino independente na Assembléia Geral da ONU no outono de 2001. "Não existe confusão. O presidente falou de dois Estados. Ele defendeu a criação de um Estado para o povo palestino com o nome Palestina", disse o secretário de Estado americano no encontro com os seus colegas em Whistler, no Canadá.

Bush voltou a falar nesta sexta-feira de dois Estados existindo em paz um lado do outro – um palestino e outro israelense – e acrescentou: "Eu anunciarei minha visão tão logo a possa ser concretizada.