1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Forças de paz da ONU são acusadas de exploração sexual

Relatório interno das Nações Unidas denuncia que militares trocam medicamentos, alimentos e outros itens por favores sexuais. Casos ocorreram em missões de paz na África e no Haiti.

Um relatório interno da Organização das Nações Unidas (ONU), tornado público nesta quinta-feira (11/06), mostrou que os agentes que participam da missão de paz da entidade em países como o Haiti e a Libéria cometeram uma série de crimes sexuais.

Os militares são acusados de trocar itens como vestidos, joias e telefones celulares por favores sexuais. O Escritório da ONU para Serviços de Fiscalização Interna (Oios, na sigla em inglês), que entrevistou centenas de mulheres no Haiti e na Libéria, afirma que entre as razões para que elas mantivessem relações com os soldados estão fome, pobreza e falta de abrigos, medicamentos, produtos para bebês e itens domésticos.

"As provas obtidas nos dois países que recebem as missões demonstram que as transações sexuais são bastante comuns, mas muito pouco reportadas", afirma o documento.

O relatório aponta que "o número de preservativos distribuídos, juntamente com a quantidade de pessoal que busca aconselhamento voluntário e testes confidenciais de HIV, sugerem que as relações sexuais entre os membros da força de paz e da população local são rotineiras". O texto cita um boletim da ONU de 2003 que proíbe tais práticas, uma vez que podem abalar a credibilidade da organização nas áreas em que opera.

Segundo o Oios, entre 2008 e 2013 houve 480 alegações de exploração sexual, um terço delas envolvendo crianças. A maior parte das acusações são referentes a missões de paz na República Democrática do Congo, na Libéria, no Haiti e no Sudão do Sul.

A ONU conta atualmente com cerca de 125 mil soldados, policiais e civis, que trabalham em 16 missões de paz em todo o mundo.

A missão para estabilização do Haiti, a

Minustah

, foi iniciada em 2004. Desde então, o Brasil, que chefia a missão, enviou mais de 30 mil militares ao país. Atualmente há 1.343 militares brasileiros no Haiti.

RC/rtr/ap

Leia mais