1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Forças afegãs expulsam talibãs da maior parte de Kunduz

Autoridades dizem que tropas do governo retomaram a capital de província. Jihadistas, porém, afirmam ainda resistir à contraofensiva. Tropas da coalizão internacional apoiaram as forças de segurança afegãs.

As autoridades afegãs afirmam nesta quinta-feira (01/10) que tropas do governo retomaram a cidade de Kunduz, três dias após a

capital de província cair nas mãos do Talibã

.

Os jihadistas, porém, insistem que a localidade de 300 mil habitantes ainda está sob seu controle. Um porta-voz talibã negou que os insurgentes tenham deixado Kunduz, dizendo que suas forças ainda resistem na região central, além de controlar a maior parte das outras áreas da cidade.

Entretanto, um porta-voz do Ministério da Defesa afirmou que os talibãs foram removidos e que uma operação para liberação da cidade estaria em andamento. "As forças de segurança afegãs tomaram o controle de Kunduz durante a noite, após intensos combates" declarou o governador interino da província, Hamdullah Danishi.

O vice-ministro do Interior, Ayoub Salangi, disse que a cidade foi recuperada após uma operação especial realizada durante a noite. Relatos de testemunhas confirmam a retirada do Talibã. Um morador contou que as forças de segurança removeram a bandeira que havia sido hasteada pelos jihadistas na praça central da cidade, substituindo-a pela afegã.

O coronel Brian Tribus, da coalizão militar que atua no país, diz que membros das forças internacionais teriam se envolvido no conflito em Kunduz apenas com papel consultivo, mas ressaltou que eles "têm o direito de se defender, se necessário, enquanto realizam a missão de consultoria e assistência". Ele confirmou que soldados da coalizão, incluindo americanos, entraram em confronto direto com os talibãs na quarta-feira.

Segundo o ministro afegão da Saúde, Wahidullah Mayar, ao menos trinta pessoas, na maioria civis, morreram nos combates. Os hospitais da província atenderam cerca de 340 feridos.

RC/ap/afp/rtr

Leia mais