Força da extrema direita na França reflete tendência europeia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 16.10.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Força da extrema direita na França reflete tendência europeia

Avanço da Frente Nacional não é caso isolado dentro da UE, que vê ideologia extremista ser cada vez mais socialmente aceitável. Descontentamento e desinformação do eleitor podem reforçar a direita no Parlamento Europeu.

default

Jean-Marie (esq.) e Marine Le Pen são ambos membros do Parlamento Europeus

Marine Le Pen está exultante: seu partido, a Frente Nacional (FN), vem conquistando uma vitória após a outra. Na eleição do domingo (13/10), no cantão de Brignoles, no sul da França, o candidato da extrema direita deixou bem para trás seus adversários socialista e conservador.

Numa pesquisa de intenção de voto para o próximo pleito europeu, em 2014, a FN chegou a ocupar o primeiro lugar em nível nacional. E Marine Le Pen alcançou níveis recordes de simpatia popular: numa sondagem recente, 42% dos franceses revelaram ter uma boa opinião sobre a política de 45 anos. O atual presidente, o socialista François Hollande, ficou nos 35%. Em outras estatísticas seu desempenho é ainda mais sofrível.

Assimilação da retórica extremista

O cenário leva à questão de como é possível que, num país-chave da União Europeia, uma facção extrema ameace superar os partidos populares clássicos. E, note-se, Marine Le Pen rejeita a definição como "extrema direita" – e ao que tudo indica, com sucesso.

Quando seu pai, Jean-Marie Le Pen, era o líder do partido, muitos torciam o nariz para a populista Frente Nacional. O veterano da Guerra da Argélia definia o Holocausto, por exemplo, como mero "detalhe" da história. Sua filha, em contrapartida, retirou a FN do nicho da má fama aos olhos da opinião pública.

Manuel Valls Politiker Frankreich

Ministro francês do Interior, Manuel Valls, assimilou retórica da direita

Na Europa muitos observam o fenômeno com apreensão. A eurodeputada social-democrata alemã Evelyne Gebhardt, que passou boa parte da vida na França, explica à DW que Marine Le Pen simplesmente "modificou fortemente a linguagem de seu partido, de modo que não se registra mais essa violência verbal – embora as ideias tenham permanecido as mesmas".

Sylvie Goulard, parlamentar europeia liberal de Marselha, diz que, na região, a força da FN é tradicionalmente grande. E fala em termos explícitos: "Marine Le Pen joga com os medos das pessoas, e nesse ponto talvez ela seja ainda mais perigosa do que o pai."

Inédito é o fato de políticos de outros partidos não demonizarem mais a Frente Nacional, mas sim assimilarem a retórica dos direitistas. O ministro do Interior francês, o socialista Manuel Valls, acusou recentemente os nômades roma da Bulgária e da Romênia de falta de vontade de se integrar e de "uma forma de vida extremamente diferente".

Hollande não rebateu, sabedor de que 77% dos franceses haviam se manifestado de acordo com a declaração de Valls. Mas também o antecessor de Hollande, o conservador Nicolas Sarkozy, incitava contra os imigrantes. Nesse ponto, os dois grandes partidos populares pouco diferem.

Porém não é só a rejeição aos estrangeiros a impulsionar a FN: a crise econômica europeia favorece o jogo da direita. Segundo Evelyne Gebhardt, numerosos cidadãos "não só na França, como em toda a União Europeia, têm a impressão de que a política não está dando conta dos problemas". E Goulard acrescenta: "Muitos franceses vão mal. Esse fato é subestimado em muitas nações vizinha, inclusive na Alemanha".

Precisamente as altas taxas de desemprego põem o povo à mercê de gente com soluções simplistas. Goulard não tem nada contra uma política europeia de austeridade – que o presidente Hollande nunca pôs realmente em prática. Ainda assim, os alemães – parcimoniosos e economicamente fortes – precisariam saber que "a estabilidade monetária é importante, porém a estabilidade dos países em torno da Alemanha também é importante".

Legislativo europeu subestimado

Em toda a Europa, os partidos estabelecidos temem que a população atribua a crise à União Europeia, elegendo os populistas de direita. Seja em Grécia, Itália, Hungria ou Holanda, em países de economia potente ou fraca, por quase todo o continente partidos com essa orientação ganham força. A grande exceção: a Alemanha.

Symbolbild Roma in Europa

Roma seguem sendo alvo de perseguição na França

Evelyne Gebhardt atribui o isso ao fato de que "o tabu contra a ideologia de extrema direita ainda funciona na Alemanha", enquanto na França os governantes tornaram essa tendência socialmente aceitável. Ela adverte do perigo: "Se uma coisa assim acontecer na Alemanha, subitamente teríamos o mesmo problema".

O próximo teste para o clima político em toda a UE será a eleição para o Parlamento Europeu, em maio de 2014. Então ficará constatado se a raiva e a frustração se traduzirão, de fato, em votos para a direita.

Um fator que beneficia os extremistas é muitos eleitores acreditarem que as eleições parlamentares europeias são menos importantes do que as nacionais, e que, portanto, eles podem se permitir dar aí seu voto a um partido de protesto.

A liberal francesa Sylvie Goulard critica os eleitores por não se darem conta de quanto é decidido no nível europeu. Só lhe resta a esperança de que, até as eleições, "as empresas, sindicatos e outras forças da sociedade civil digam em alto e bom som que a votação para o Parlamento Europeu é um pleito sério".

Leia mais