FMI melhora projeções para economia brasileira | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 19.07.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

FMI melhora projeções para economia brasileira

Fundo revisa estimativa de recessão no Brasil de 3,8% para 3,3% em 2016 e prevê retomada do crescimento em 2017, ainda que de apenas 0,5%. "Incertezas políticas se mantêm", diz estudo.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorou suas perspectivas para a economia brasileira em 2016 e 2017. É a primeira vez – após cinco revisões para baixo – que a instituição altera positivamente sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) do país neste ano.

Na revisão do relatório Panorama Econômico Mundial (WEO, em inglês), divulgado nesta terça-feira (19/07), a instituição mudou a estimativa de recessão no Brasil para 3,3% em 2016 – a retração estimada em abril passado era de 3,8%.

Para 2017, o FMI indicou uma melhora de 0,5 ponto em relação ao relatório de abril e, assim, o Brasil poderá crescer 0,5%.

Parte da revisão se deve à contração menor do que a esperada da economia brasileira nos três primeiros meses do ano, de 0,3% sobre o quarto trimestre de 2015. A instituição destacou que "a confiança dos consumidores e das empresas parece ter começado a melhorar no Brasil".

Apesar da melhora do cenário do FMI, o Brasil fica bem atrás quando se considera o quadro geral para a América Latina e Caribe, que deve apresentar uma retração de 0,4% neste ano e expansão de 1,6% no próximo. Em ambos os casos, houve melhora de 0,1% nas projeções comparadas com o levantamento anterior.

Os analistas dizem que "as incertezas políticas se mantêm e podem ensombrar a perspectiva de evolução" da economia brasileira, a maior da América Latina, e que já no ano passado apresentou uma recessão de 3,8%.

Por sua vez, a economia global deverá crescer 3,1% neste ano e 3,4% em 2017, o que mostra um corte de 0,1% perante a estimativa de abril.

FC/rtr/lusa/efe/ots

Leia mais