FMI lista Lagarde e Carstens para diretor-gerente e descarta Fischer | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 14.06.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

FMI lista Lagarde e Carstens para diretor-gerente e descarta Fischer

De três pretendentes, restam apenas dois: a francesa Christine Lagarde e o mexicano Agustín Carstens disputam o cargo de diretor-gerente do FMI. Israelense Stanley Fischer é deixado de lado devido à idade.

Lagarde e Carstens

Lagarde e Carstens ainda estão no páreo

O Fundo Monetário Internacional (FMI) listou apenas dois candidatos para o cargo de diretor-gerente da instituição. São eles a francesa Christine Lagarde e o mexicano Agustín Carstens. O nome do presidente do Banco Central de Israel, Stanley Fischer, não foi citado no comunicado divulgado nesta segunda-feira (13/06).

O FMI sublinhou que as duas candidaturas foram selecionadas "em linha com a decisão adotada pelo conselho de administração em 20 de maio, que define o processo de seleção do diretor-gerente, e com o regulamento" do organismo, que fixa em 65 anos a idade limite para ocupar aquele cargo. Fischer, que tinha anunciado a sua candidatura no sábado, tem 67 anos.

O israelense lamentou que a sua candidatura tenha sido rejeitada devido à idade. "Penso que a restrição da idade não é pertinente hoje em dia. Espero que o conselho de administração do FMI altere os regulamentos não apenas por causa da minha candidatura, mas a bem dos futuros candidatos ao cargo", afirmou Fischer.

Antigo número dois do FMI entre 1994 e 2001, Fischer, uma das personalidades mais populares de Israel e a quem é atribuído o "milagre" econômico do país apesar da crise internacional, tinha submetido no sábado a sua candidatura. O nome do novo diretor-gerente deverá ser conhecido até 30 de junho, divulgou o Fundo.

Lagarde é tida como favorita ao cargo. Carstens afirmou nesta segunda-feira que ele terá uma batalha difícil pela frente e que é quase certo que Lagarde será a escolhida.

AS/apf/lusa/dpa
Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais