1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Florianópolis sedia maior convenção mundial de turismo gay

Evento acontece pela primeira vez na América Latina e promete reafirmar capital catarinense como destino turístico para gays e lésbicas. Homossexuais gastam em média 30% a mais do que outros turistas.

Entre os dias 12 e 14 de abril, Florianópolis sediará a 29ª Convenção anual da Associação Internacional de Turismo Gay (IGLTA, sigla em inglês), maior encontro mundial de representantes da indústria do turismo voltado ao público homossexual.

Será a primeira vez que a América Latina sedia o evento, e a escolha do Brasil foi comemorada pelas autoridades e empresários, que apostam no turismo gay como chance de ampliar o faturamento no setor.

Segundo Clóvis Casemiro, embaixador da IGLTA no Brasil, Florianópolis foi escolhida após uma campanha de quatro anos por parte das entidades. "São Paulo e Rio de Janeiro já são destinos consagrados para o turismo LGBT, e é importante termos mais portas de entradas no país e mais destinos agregados aos já conhecidos", explica Casemiro, ressaltando que Recife, Manaus, Belo Horizonte e Curitiba também trabalham atualmente com este público.

"Escolhemos 'Floripa' porque os próprios brasileiros elegeram a cidade como forte destino de gays e lésbicas", conta. Para o embaixador da IGLTA, a convenção trará grande visibilidade ao Brasil, que durante os dias do evento receberá importantes profissionais do setor de todo o mundo, que estão interessados em descobrir o Brasil como país gay friendly.

Setor em expansão

O Brasil está hoje entre os dez maiores destinos de homossexuais no mundo, em especial as cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo. No ano passado, a capital paulista atraiu mais de 3 milhões de pessoas, durante a Parada do Orgulho Gay, o evento que atrai o maior número de visitantes à cidade.

80 Jahre Christusstatue in Rio Flash-Galerie

Rio é um dos destinos preferidos do público LGBT

São Paulo aparece ainda em 4º lugar num ranking dos melhores destinos gays do mundo, elaborado pelo portal GayCities.com, em parceria com a companhia aérea American Airlines. No topo da lista aparece Tel-Aviv, seguida por Nova York e Toronto. Há poucos dias, empresários anunciaram a construção, em São Paulo, do primeiro hotel exclusivamente voltado a hóspedes homens gays.

De acordo com o Ministério do Turismo, o segmento LGBT cresce 20% ao ano no Brasil, e representou entre 10% e 12% dos 5,3 milhões de estrangeiros que desembarcam no país durante o ano passado. Segundo pesquisa da Embratur, a "simpatia" dos brasileiros é um dos principais atrativos para o turista gay.

“A convenção é para nós um evento muito importante", afirma o secretário-executivo do Ministério do Turismo, Valdir Simão. "O Brasil tem grande interesse em fortalecer e qualificar os destinos para atrair esses viajantes”, garante.

Calcula-se que este público de gays e lésbicas gaste aproximadamente 100 dólares por dia, em média 30% a mais do que turistas de outros segmentos. Levantamentos especializados traçam um perfil dos turistas gays bem animador para empresários do setor: além de se caracterizarem como double income no kids (duas rendas e sem filhos), estes visitantes geralmente gastam mais com entretenimento, em suas viagens, e gostam de artigos de luxo.

Viagens em baixa temporada

Ainda segundo o Ministério do Turismo, investir no turismo LGBT é considerado estratégico ainda por outro motivo: este público prefere viajar em períodos de baixa temporada, o que ajuda a manter o equilíbrio financeiro do setor ao longo do ano.

Casemiro ressalta que qualidade no atendimento é essencial para assegurar que o turista volte. O turista LGBT é muito bem informado. Antes de viajar ele consulta os amigos e procura saber em redes sociais o que cada cidade e destino apresentam de bom. E sempre irá buscar lugares onde o gay seja bem-vindo, explica.

O turismo LGBT vem crescendo em todo o mundo. Nos Estados Unidos, segundo estimativas, o mercado movimenta 54 bilhões de dólares anualmente.

Autora: Mariana Santos
Revisão: Augusto Valente

Leia mais