Florestas doentes, mas estáveis | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 15.07.2003
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Florestas doentes, mas estáveis

As florestas alemãs continuam doentes, por causa da poluição e outros males da industrialização. Mas o quadro geral melhorou em comparação há alguns anos, segundo relatório do Ministério da Agricultura.

default

Uma árvore doente e solitária, numa paisagem de inverno

A ministra da Agricultura, Renate Künast (Partido Verde), causou uma certa polêmica, ao afirmar que as florestas estão mais saudáveis e bonitas e prever que a economia madereira tem futuro assegurado na Alemanha.

A floresta tem um valor emblemático para os alemães e a preocupação em salvar as áreas verdes tornou-se uma obsessão nacional a partir da década de 80. A expressão "Waldsterben", que significa "morte da floresta", incorporou-se ao idioma alemão.

Ela caracteriza o processo de destruição das florestas causadas por poluentes como o enxofre e o óxido nítrico. Estas substâncias são transportadas pela chuva e contaminam o solo. Os ácidos penetram no solo, atacam as raízes das árvores, que começam a perder folhas e acabam morrendo por falta de nutrição.

O combate à poluição é um processo lento. É preciso de 30 a 50 anos para se recuperar o equilíbrio ecológico. Mas os esforços empreendidos pelo governo federal conseguiram pelo menos estabilizar a situação. Há cinco anos quase metade das árvores perdiam folhas; hoje são apenas 29%.

No âmbito geral, um quinto da área florestal da Alemanha apresenta sinais claros de degradação; um terço está saudável e cerca de 40% a 45% está levemente estragada.

Embora tenha havido uma significativa redução da poluição atmosférica nos últimos anos, o solo continua contaminado com o óxido nítrico e a amônia depositados ao longo das últimas décadas.

As espécies mais afetadas pela poluição são os carvalhos, dos quais 32% apresentam perdas de folhas, e as faias (26%). A degradação dos pinheiros varia entre 13% a 26%, de acordo com as diferentes sub-espécies.

"Revolução agrária"

O governo alemão está combatendo a "morte das florestas" com medidas para diminuir a poluição atmosférica, proteger o clima e restruturar a política agrária e florestal.

A poderosa Associação para a Proteção ao Meio Ambiente e Natureza (BUND) admite que a nova política florestal está surtindo efeito, no sentido de diminuir a poluição do solo e proteger o lençol freático.

A poluição causada pelo amoníaco utilizado na pecuária foi reduzida em 20%, graças a uma melhoria da ração e técnicas, afirma a Federação dos Agricultores Alemães (DBV). Esta entidade pede que o governo conceda incentivos fiscais para a exploração da madeira como fonte de energia biológica.

Leia mais