1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Fischer tenta novo diálogo de paz

Ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer, consegue poucos resultados concretos em Israel e nos territórios palestinos na sua tentativa de reativar o processo de paz.

default

Fischer (esq) critica muro em conversa com Sharon

Na sua missão de paz pelo Oriente Médio, que se encerrou nesta quarta-feira (17), o chefe da diplomacia da Alemanha, Joschka Fischer, exortou Israel e a Autoridade Nacional Palestina (ANP) a retomarem rapidamente o processo de paz. Fischer mostrou-se otimista ao final de três dias de conversações, embora sem resultados concretos imediatos. Ele disse, em Tel Aviv, que "as coisas estão de novo em movimento" e que "agora é o momento de avançar". O chefe da diplomacia alemã criticou a construção do muro em volta da Cisjordânia, mas confirmou o direito de Israel à autodefesa e exigiu que os palestinos destruam as estruturas do terror.

Com Sharon e Kureia - O ministro alemão conversou inicialmente com o primeiro-ministro palestino, Ahmed Kureia, em Abu Dis, no leste de Jerusalém. A seguir, Fischer pronunciou-se a favor de um encontro de Kureia com o premier israelense, Ariel Sharon. Kureia esclareceu, todavia, que não havia data marcada para tal encontro.

A seguir Fischer conversou com Sharon em Jerusalém, ao qual manifestou a preocupação do governo alemão com o polêmico muro entre Israel e a Cisjordânia. Sharon teria argumentado que "foi o terror que construiu esse muro", segundo membros da delegação alemã. Sharon defendeu o isolamento do território palestino como necessário para defender Israel de ataques suicidas. Assegurou, ao mesmo tempo, que estaria se atendo ao plano de paz "mapa do caminho".

Durante a visita de Fischer, o ministro das Finanças e ex-premier israelense, Benjamin Netanjahu, esclareceu que colocou mais US$ 160 milhões à disposição para a construção do muro, que é visto pelos israelenses como uma antecipação às fronteiras do futuro Estado palestino. Segundo cálculos da ONU, depois de pronta a construção, Israel terá anexado de fato 15% da Cisjordânia.

Isolamento de Arafat - Desta vez o ministro alemão não se encontrou com o presidente palestino, Yasser Arafat, que amarga o isolamento internacional. Os dois se viram pela última vez em abril passado, no quartel-general de Ramallah quase inteiramente destruído por ataques israelenses. Por causa desse encontro, durante a última visita de Fischer ao Oriente Médio, o ministro alemão atraiu grande indisposição do governo Sharon, que havia acabado de declarar o chefe da OLP "uma pessoa irrelevante".

Otimismo e ceticismo - O plano alemão para reativar o processo de paz no Oriente Médio foi aprovado com grande otimismo no Cairo, onde Fischer iniciou a sua missão de sondagens de três dias. Mas, depois de uma hora de vôo, ele se deparou com grande ceticismo na capital da Jordânia, onde 60% da população é de palestinos. Amã vê com grande ceticismo todos os esforços para reativar o processo de paz congelado há meses.

Numa conferência sobre segurança em Tel Aviv, Fischer citou as condições para uma solução de paz no Oriente Médio: um cessar-fogo, dissolução das estruturas terroristas do lado palestino, retirada das tropas israelenses dos territórios palestinos e o desmonte das colônias judaicas ilegais.

Os grupos radicais palestinos Hamas, responsável pela maioria dos atentados suicidas contra israelenses, e Jihad (guerra santa) rejeitam um armistício abrangente com Israel, mesmo depois do encontro de seus representantes com mediadores egípcios. Ambas as organizações terroristas disseram que, por causa da permanente ocupação e dos ataques de Israel, não haveria condições para um cessar-fogo.

Desde o início da rebelião Intifada, já foram mortos 2600 palestinos e 900 israelenses. Irritados com a política de colonização israelense e a construção do muro de isolamento da Cisjordânia, os Estados Unidos reduziram um empréstimo para Israel de US$ 9 bilhões para US$ 290 milhões no final de novembro passado.

Leia mais