1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Fischer preocupado com situação no Oriente Médio

Ministro do Exterior está em contato com representantes de Israel e da Palestina. Democratas-cristãos e liberais alemães criticam posição de Arafat em relação ao terror. Duas alemãs entre os manifestantes em Ramalah

default

Cerca de mil manifestantes protestaram em Berlim contra o cerco a Arafat

O Ministério alemão das Relações Exteriores está participando dos esforços da União Européia para acabar com a onda de terror e violência no Oriente Médio. O objetivo do ministro Joschka Fischer é o retorno das negociações de paz sob a mediação do norte-americano Anthony Zinni.

Numa nota divulgada em Berlim, o ministro apelou ao governo israelense para que garanta a segurança de Arafat e lhe dê possibilidade de negociar.

Por seu lado, o presidente do Conselho Central dos Judeus na Alemanha considera legítimas as ações militares de Israel contra os palestinos. Paul Spiegel afirmou nesta segunda-feira (1º) existir uma campanha organizada de terror contra o Estado de Israel.

"O conflito no Oriente Médio há muito tempo deixou de ser uma espiral de violência e virou uma declaração de guerra de todas as frações palestinas contra Israel", declarou o representante judaico.

Destruição sistemática – Já o Conselho Central dos Muçulmanos fala em "guerra de aniquilamento que precisa ser barrada pelas Nações Unidas". O presidente do conselho, Nadeem Elyas, acusou Israel de destruição sistemática das condições básicas para a sobrevivência dos palestinos.

Friedbert Pflüger, especialista em relações exteriores da União Democrata-Cristã, defende que os Estados Unidos são a chave para a resolução do conflito. "Por isso, a União Européia deve aliar-se aos esforços de Washington e desistir de mediações unilaterais", destacou o democrata-cristão.

Esta opinião também é partilhada por Dirk Niebel, especialista em Oriente Médio do Partido Liberal Democrático. Para ele, a União Européia deveria congelar toda a ajuda a Arafat, até a Autoridade Palestina conseguir frear os terroristas em seu território.

O Ministério alemão do Exterior confirmou a presença de duas alemãs entre os manifestantes que foram prestar solidariedade a Arafat em seu quartel-general sitiado. .

Uma marcha de protesto em Berlim, no sábado (30) contra a invasão israelense em Ramalah, teve a participação de cerca de mil pessoas.