1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Firmas alemãs subornam menos

A organização Tranparency International publicou o seu Índice de fontes de suborno. As empresas que mais recorrem a esse tipo de corrupção são da Rússia, China e Taiwan.

Na luta para conquistar encomendas internacionais de alto valor, continua correndo muita propina, apesar das leis mais rígidas. Firmas alemãs também recorrem a esses métodos para conseguir vantagem frente à concorrência, revelou a ONG alemã Tranparency International (TI), que divulgou nesta terça-feira (14), em Berlim, o segundo Índice de Fontes de Suborno. O mais conhecido é o Índice de Percepção de Corrupção, no qual o Brasil figurou em 46º lugar, isto é, no meio da lista, em 2001.

Para o de fontes de suborno foram considerados os 21 países com maior volume de exportações. Quanto menor o índice ou número, maior corrupção. Propina e corrupção são mais comuns em firmas da Rússia (3,2), China (3,5), Taiwan (3,8), Coréia do Sul (3,9) e Itália. A Alemanha ficou numa posição média, com 6,3, o que não variou muito, tendo-se em vista os 6,2 que obteve em 1999.

Executivos brasileiros também participaram da pesquisa

A lista de países onde as empresas não costumam recorrer ao suborno é encabeçada pela Austrália (8,5), Suécia (8,4) e Suíça (8,4). Para a obtenção do índice, a Transparency consultou executivos, funcionários públicos encarregados do controle, advogados e auditores. Ao todo 800 pessoas que trabalham em empresas, bancos e escritórios de auditoria em 15 países emergentes, o Brasil e a Argentina entre eles.

Suborno precisa de duas mãos - "Nós fazemos questão de frisar que a corrupção não é uma via de mão única. Sempre há uma mão estendida e outra que dá o dinheiro. O suborno só existe quando há envolvidos de ambos os lados", diz o presidente da TI, Hansjörg Elshorst. "O risco nisso é que receptores, tais como políticos e partidos, acabam ficando em primeiro plano porque são "atraentes" para as firmas dos países ricos. Estas, por sua vez, permanecem na surdina, espreitando quem podem subornar", conclui.

Links externos