Final! Tinha de ser? | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 28.06.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Final! Tinha de ser?

Os verdadeiros torcedores da Alemanha não se deixam iludir com a façanha de sua seleção na copa. Neste artigo, o jornalista alemão Holger Hank diz que cabe ao deus futebol por um ponto final na sorte de Kahn & Cia.

default

Eles já foram longe demais, segundo os próprios torcedores alemães

Final. Contra o Brasil. E daí? Não se pode falar de entusiasmo coletivo com a decisão da Copa do Mundo entre Alemanha e Brasil. À primeira vista, seria de se admirar. Afinal, os alemães conseguiram chegar à final, pela primeira vez, desde 1990. No entanto, o bem sucedido caminho de interceptores como Linke, Metzelder e Hamann, assim como do agora mais que elogiado "goleiro-titã" Kahn está sendo recebido, a priori, com indiferença coletiva na terra do futebol alemão.

Claro que o jornal Bild já festeja e conclama o time de Völler: "Repitam a dose". Os telões estão esgotados em todo o país. Vende-se bandeiras como água. Mas a champanha quase ninguém ainda pôs para gelar. Presunção? Nem sinal. Alemanha campeã? Precisa ser?

A razão para a insegurança alemã é clara: após os fracassos dos últimos anos (1994: eliminada pela Bulgária! 1998: despachada pela Croácia! Eurocopa 2000: caímos fora vergonhosamente já na primeira fase), o futebol alemão merece tanto crédito quanto uma companhia telefônica americana atualmente má-afamada. Ou seja: perdeu a confiança. No mais tardar, o deprimente 5 a 1 tomado da Inglaterra em Munique nas Eliminatórias da Copa tratou de acabar com a crença da infalibilidade alemã – pelo menos junto aos torcedores de carteirinha.

Neste mundial, Kahn & Cia. fizeram de tudo para resgatar a suspeita fama dos jogadores alemães. O lema da seleção: jogar mal, mas mesmo assim vencer. "Temos de jogar mais futebol" é a frase padrão do técnico Völler, usada a cada magra vitória arrancada por seu time no Japão e na Coréia nos últimos dias. Mas falta simplesmente o estímulo criativo para mexer estes operários da bola, quase sempre cansados.

Conclusão: com a final, os alemães estão bem servidos. Fica apenas a preocupação de que domingo aconteça o que o mundo do futebol no fundo teme: o time de Rudi estar num dia de graça, Ronaldo e todos os demais craques brasileiros (até agora igualmente não convincentes) desesperados com os reflexos de Kahn e, no fim, uma festa alemã. Resta a esperança no deus futebol – e ele cuidará para que o mundo do futebol não saia dos eixos.

Sob o ponto de vista alemão, isto teria uma vantagem. Sem o fardo de ter sido campeão mundial, mesmo com uma equipe média, os alemães poderão se preparar em paz para a Copa de 2006, que acontecerá na Alemanha. Então, Völler e seus comandados serão de qualquer jeito favoritos.