1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futebol

Final da Liga dos Campeões não tem um favorito, diz brasileiro Rafinha

Lateral do Bayern diz que os dois finalistas têm chances iguais de chegar ao título. Alemães jogam a final contra o Chelsea neste sábado, em Munique.

Bayern de Munique e Chelsea definem neste sábado (19/05) o título da Liga dos Campeões da temporada 2011/12. A grande final será disputa em Munique, no estádio Allianz Arena, casa do clube alemão.

O jogador brasileiro Rafinha, que defende as cores do Bayern de Munique, conversou com a Deutsche Welle sobre as chances de cada equipe. Para ele, não há favoritos.

"Não arrisco um placar porque cada jogo é uma história. Se ganharmos o jogo já está bom. Pode ser de meio a zero que já está bom", declarou Rafinha. "Sendo campeão não importa o placar."

Deutsche Welle: Como é jogar numa grande equipe europeia, como o Bayern de Munique?

Rafinha: É muito satisfatório. O auge de todo jogador é jogar num time grande e, graças a Deus, eu estou tendo a oportunidade de jogar no Bayern de Munique, uma equipe que vai sempre muito bem nas competições que disputa, sempre brigando por um título. Esse é um sonho que eu estou realizando.

A responsabilidade de vestir a camisa de um time tão grande é maior?

Sem dúvida. Graças a Deus eu só passei por times de tradição. Joguei no Schalke, que é um time de uma torcida enorme, joguei no Genoa, na Itália, que é um time de muita tradição, e agora eu estou no Bayern, que é o maior clube da Alemanha e um dos maiores do mundo. É claro que a responsabilidade aumenta, tenho sempre que provar os meus valores e qualidades. Graças a Deus estou bem preparado, tenho uma cabeça boa para isso e sei lidar bem com esse tipo de pressão.

E qual é a expectativa para a final da Liga dos Campeões? É uma vantagem jogar em casa?

A expectativa é a melhor possível. Pela primeira vez na história um clube decide a Liga dos Campeões no seu próprio campo. O Bayern conseguiu a façanha de chegar à final. Eu digo que as chances são iguais, é 50 a 50. Temos de respeitar a equipe do Chelsea, que também chegou até aqui por méritos próprios. Mas estamos jogando no nosso estádio, que conhecemos bem, onde jogamos o ano inteiro. Então é claro que esperamos fazer um ótimo jogo na nossa casa.

Você arrisca um placar?

Não, eu não arrisco um placar porque cada jogo é uma história. Se ganharmos o jogo já está bom. Pode ser de meio a zero que já está bom. Sendo campeão não importa o placar.

Autora: Ivana Ebel (kr)
Revisão: Alexandre Schossler