1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Jogos Olímpicos

Fim de semana dourado para os alemães

O oitavo dia em Atenas foi recheado de medalhas – ouro, prata e bronze – nas mais diversas categorias. O trauma do ouro perdido no hipismo já é passado. No domingo, também houve medalhas.

default

Jens Kruppa (à frente), Lars Conrad (na água), Steffen Driesen (meio) e Thomas Rupprath (d) comemoram a prata

Só no sábado, oitavo dia dos Jogos, foram nove medalhas – ouro no remo, no hipismo, no tiro e no ciclismo; prata no remo, na natação e no tênis; bronze na natação e no trampolim, além de dois recordes europeus na natação.

E o domingo continuou dourado: logo pela manhã, mais duas medalhas, uma ouro, outra prata, ambas para a equipe feminina de remo. No final do dia, veio mais um bronze para a equipe de esgrima.

No total, já são 29 medalhas, o que coloca a Alemanha na 5ª posição do ranking de nações na contagem de medalhas de ouro e na 4ª posição na contagem total.

Remo - O primeiro ouro do final de semana para a delegação alemã veio na manhã de sábado: Katrin Rutschow-Stomporowski, de Berlim, foi a primeira colocada na categoria skiff simples feminino, com quatro segundos de diferença em relação à segunda colocada, a bicampeã olímpica Ekaterina Karsten, de Belarus. O bronze ficou para a recordista mundial Rumyana Neykova, da Bulgária.

Katrin Rutschow-Stomporowski

Katrin Rutschow-Stomporowski, ouro no Remo

A alemã de 29 anos – medalha de bronze nos Jogos de Sydney em 2000 – completou o percurso em 7min18s12. "Sempre sonhei com isso. Agora esse sonho se tornou realidade", disse.

Além disso, o duo alemão Britta Oppelt, de Berlim, e Peggy Waleska, de Dresden, levou a medalha de prata na categoria skiff duplo feminino. Elas perderam apenas para as favoritas da Nova Zelândia, as irmãs Georgina Evers-Swindell e Caroline Evers-Swindell.

No domingo (22), teve sequência a investida de sucesso da equipe de remo alemã. Kathrin Boron, Meike Evers, Manuela Lutze e Kerstin El Qalqili ganharam pela manhã a medalha de ouro no remo, categoria skiff quádruplo, à frente da Grã-Bretanha e da Ucrânia. Elas repetiram o resultado de há quatro anos, em Sydney, garantindo à Alemanha o bicampeonato.

Também na categoria skiff duplo peso leve os resultados imitaram, de certa forma, os de Sydney: ouro para a Romênia, prata para a Alemanha. As romenas Constanta Burcia e Angela Alupei venceram a regata final com o tempo de 6min56s05. Daniela Reimer e Claudia Blasberg chegaram em segundo com 6min57s37.

Ulla Salzgeber - Gold mit der Dressur-Mannschaft

Ulla Salzgeber e o cavalo "Rusty", ouro no Hipismo

Hipismo - O sábado foi, sem dúvida, trágico para o hipismo alemão após a decisão da Corte de Arbitragem do Esporte (CAS) de suspender duas medalhas de ouro da Alemanha. Mas enquanto uns perdem, outros ganham. E a equipe alemã de hipismo venceu pela décima primeira vez em Jogos Olímpicos a medalha de ouro na categoria adestramento por equipes.

Ulla Salzgeber montando o cavalo Rusty, Heike Kemmer com Bonaparte, Martin Schaudt com Weltall e Hubertus Schmidt com Wansuela Suerte venceram com 74,653 pontos – diferença considerável em relação à Espanha, segunda colocada com 72,917 pontos. Os Estados Unidos levaram o bronze com 71,500 pontos.

Tiro rápido - Pela terceira vez, após 1992 e 1996, o alemão Ralf Schumann trouxe para casa a medalha de ouro na categoria tiro rápido, a terceira da Alemanha neste sábado. Schumann venceu a partida com 694,9 pontos. Em segundo lugar ficou o russo Sergej Poljakow, seguido por seu compatriota Sergej Alifirenko.

Ralf Schumann - Goldmedaille bei den Schützen

Ralf Schumann, ouro no Tiro pela terceira vez

"Eu mostrei para todo mundo quem é o chefe aqui", orgulhou-se o atirador. "O que eu construí ao longo de 20 anos, eu coroei com essa vitória para sempre". Para seu treinador, Peter Kraneis, foi como um presente – ele comemorou no sábado (21) seu 55º aniversário.

Ciclismo - Os alemães ganharam medalha de ouro também no ciclismo, na categoria v elocidade por equipes. O trio formado pelos ciclistas Jens Fiedler, René Wolff e Stefan Nimke encerrou o circuito em 43,980 segundos, à frente do Japão (44,246) e da campeã mundial França (44,359). "Nós contávamos com uma medalha, mas ouro, isso foi uma surpresa", disse o treinador Detlef Uibel.

Natação - Na final da prova de 4x100m livre, as nadadoras alemãs não só levaram o bronze para casa como bateram o recorde europeu. O quarteto Antje Buschschulte, Sarah Poewe, Franziska van Almsick e Daniela Götz encerrou a prova com 4:00,72 minutos, melhorando a própria marca em 82 centésimos de segundo.

Na categoria masculina, a história se repetiu alguns minutos depois: Steffen Driesen, Jens Kruppa, Thomas Rupprath e Lars Conrad asseguraram a prata com 3:33,62 minutos, batendo o recorde russo em 1,1 segundo. Apenas os americanos foram mais rápidos: 3:30, 68.

Tênis - Nicolas Kiefer e Rainer Schüttler não só ganharam a medalha de prata no tênis em dupla – antes de mais nada eles perderam o ouro. Foi o que aparentaram os dois tenistas ao deixarem, abalados, o Centro Olímpico na noite de sábado.

Eles perderam por 2:6, 6:4, 6:3, 6:7 (7:9), 4:6 para os chilenos Fernando Gonzales e Nicolas Massu.

Esgrima - Bronze para a equipe de esgrima alemã na categoria espada por equipes. O time formado por Jörg Fiedler, Sven Schimd e Daniel Stringel – todos formados pelo Clube de Esgrima de Tauberbischofsheim, o mais renomado da Alemanha – venceu os russos por 37 toques a 29.

Mas só essas duas medalhas – na sexta (20), as mulheres levaram a prata na mesma categoria – são pouco para a tradicional equipe alemã de esgrima: esse foi o pior balanço em um campeonato internacional nos últimos oito anos.

Henrik Stehlik - Gold im Trampolinspringen

Henrik Stehlik, bronze no Trampolim

Trampolim - Também o trampolim acrobático rendeu medalha para a Alemanha neste sábado. O estudante de literatura alemã Henrik Stehlik, de 23 anos, ganhou uma medalha de bronze por uma apresentação perfeita diante de 11,5 mil torcedores no Ginásio Olímpico. Com 40,8 pontos, ele perdeu apenas para o ucraniano Juri Nikitin (41,5) e o russo Alexander Moskalenko (41,2).

"Foi uma experiência maravilhosa lá de cima. Nós tínhamos um bom conceito e o executamos com sucesso", comemorou o também campeão mundial. "Agora a vida vai ser um pouco mais bonita para mim".

Leia mais