1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Filme conta a história de Murat Kurnaz, prisioneiro alemão em Guantánamo

Em "5 Jahren Leben", o diretor Stefan Schaller mostra com dramaticidade os anos que o turco-alemão Murat Kurnaz passou em Guantánamo, abordando sutilmente temas como direitos humanos e arbitrariedade estatal.

O filme 5 Jahren Leben (5 anos de vida, na tradução livre do alemão) conta a polêmica história do turco-alemão Murat Kurnaz, que logo após os atentados de 11 de setembro de 2001 foi preso no Paquistão e levado para a prisão de Guantánamo.

Ele permaneceu detido por cinco anos e foi solto depois de muitos protestos e de diversos embates jurídicos e políticos. Já logo após a prisão estava claro que Kurnaz não era terrorista, que não teve nenhum envolvimento com os atentados em Nova York e que não estava envolvido com o movimento fundamentalista islâmico Talibã.

Um escândalo para a democracia

"O talibã alemão" foi a manchete do Bild, o jornal de maior tiragem da Alemanha. E foi assim, como o "talibã alemão", que o nome Murat Kurnaz ficou conhecido dos alemães durante as guerras do Iraque e do Afeganistão.

Até hoje, a prisão de Guantánamo ainda é vista como um incômodo e não como um escândalo para a democracia, afirma o jornalista Roger Willemsem, que em seu livro Hier spricht Guantanamo (Aqui fala Guantánamo) reuniu entrevistas com ex-detentos. O filme 5 Jahren Leben apresenta esse escândalo para o espectador.

Filmszene Fünf Jahre Leben

"5 Jahren Leben" é um drama urgente que foge dos clichês

"O que eu faria se alguém me colocasse em cativeiro por quase cinco anos? Como sobreviveria se tirassem meus direitos, o ar para respirar, minha privacidade e importantes anos da minha vida?" Essas foram as questões levantadas pelo jovem diretor Stefan Schaller quando ele começou, há alguns anos, a trabalhar com esse tema politicamente tão delicado.

Schaller ingressou na academia de cinema de Ludwigsburg em 2005. Mas seu interesse por Murat Kurnaz vem de longa data: "Mesmo antes de me formar na escola de cinema, eu acompanhava o caso e já havia me encontrado com Bernhard Docke, advogado de Murat", explica o diretor.

Dramaticidade necessária

Filmado nos estúdios de Babelsberg, próximo a Berlim, a obra de Schaller se concentra quase inteiramente em dois personagens: Murat Kurnaz e Gail Holford, o inquisidor americano que interroga o prisioneiro alemão e o pressiona – em vão – a "confessar".

A técnica emprestada do teatro de câmara e que foca no diálogo entre os dois personagens cria uma grande proximidade entre o espectador e o filme. Mas Schaller não foge de cenas de elevado teor dramático – elas só não são gratuitas.

O jogo político nos bastidores; a recusa do Estado alemão de receber Kurnaz de volta, mesmo tendo sido provada sua inocência; e as políticas desumanas para prisioneiros na era Bush: esses tópicos foram, em maior ou menor grau, deixados de lado por Schaller.

O que o diretor mostra com clareza é a tortura diária dos detentos de Guantánamo. Através do perturbador desempenho dos atores, que encarnam os personagens, o filme ganha uma dimensão universal. Schaller disse que tentou contar, com o caso Kurnaz, uma metáfora sobre o fracasso político.

Dreharbeiten zu Fünf Jahre Leben

O diretor Stefan Schaller buscou a dramaticidade focando nos personagens

Sem apelo ao espetáculo

Em primeiro plano está o drama humano, o de um indivíduo que é esmagado pelo poder e pela arbitrariedade de um Estado. O filme, afirma o diretor, é a sua resposta pessoal à pergunta "o que fez Kurnaz sobreviver ao tempo que passou em Guantánamo sem se entregar? A constatação de que, em última análise, trata-se apenas de obter uma confissão que legitime postumamente sua detenção. Cinematograficamente, estávamos interessados principalmente no aspecto psicológico de manter um ser humano longa e injustificadamente no cativeiro".

O filme 5 Jahren Leben é uma narrativa cinematográfica política e intensa. Filmado de maneira compreensiva e emocionante, o filme não aposta no espetáculo barato e consegue contar uma história única e pessoal, sob o pano de fundo da violação dos direitos humanos.

Essa habilidade impressionou o júri do Festival Max Ophüls, que aconteceu na cidade de Saarbrücken, em janeiro, onde o filme faturou dois prêmios.

Leia mais