1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Filme brasileiro participa do Festival de Trilhas Sonoras na Alemanha

"Lavoura Arcaica" é selecionado entre 120 concorrentes para a 4ª Bienal internacional que acontecerá em Bonn

default

"O Guerreiro e a Imperatriz", de Tom Tykwer, é um dos filmes alemães que concorrem ao prêmio

A antiga sede do governo alemão será mais uma vez ponto de encontro de muitos profissionais no campo do cinema e aficcionados da sétima arte em geral. Entre os dias 23 e 30 de junho, acontece a 4ª Bienal Internacional de Trilhas Sonoras, que premiará as melhores trilhas de longas-metragens do ano de 2001. São 15 produções de diversos países, entre eles o Brasil.

A premiação ocorrerá no dia 28, de acordo com Lothar Prox, um dos integrantes do júri internacional. O principal critério para a seleção dos filmes foi a qualidade das composições e sua harmonia com o desenrolar da história.

Participação brasileira - O festival não se restringe somente à premiação de filmes, mas também conta com uma vasta programação, que inclui concertos, fóruns de discussão e workshops. Dos 120 filmes inscritos, somente 15 chegaram à fase final. Entre eles está o brasileiro Lavoura Arcaica, de Luiz Fernando Carvalho, com participações de Selton Mello, Raul Cortez, Juliana Carneiro da Cunha e Caio Blat. A música do filme ficou por conta de Marco Antonio Guimarães.

Concorrentes Internacionais - Três produções alemãs foram nomeadas. O Guerreiro e a Imperatriz, de Tom Tykwer, O Experimento, de Oliver Hirschbiegel e Alaska.de, de Esther Gronenborn. Também participam filmes da Holanda, Austrália, Ucrânia, Uzbequistão, Rússia e várias co-produções.

Homenagem - Além do Prêmio Internacional para Melhor Trilha Sonora, mais quatro prêmios serão distribuídos, entre eles o de incentivo à cultura, no valor total de 30.000 euros. O compositor grego Mikis Theodorakis receberá uma homenagem de honra pelo conjunto de sua obra. A distinção já foi concedida para profissionais como Martin Böttcher, em 1995, e Sir André Previn, em 1997.

A Bienal foi criada em 1995 pelo Museu de Arte de Bonn e conta desde 1999 com a parceria da Fundação de Cinema do estado da Renânia do Norte-Vestfália.

Links externos