1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Filhos de homens jovens têm mais chance de herdar mutação genética

Estudo aponta que homens de até 19 anos têm 33% mais chance de ter filhos com doenças originadas por mutações genéticas. Cientistas acreditam que motivo esteja ligado à pouca maturidade do sistema de produção de esperma.

As chances de uma crianças desenvolver doenças originadas por mutações genéticas, como esquizofrenia, espinha bífida e autismo, parecem ser significativamente maiores para filhos de pais adolescentes, segundo um estudo realizado por pesquisadores das universidades de Münster, na Alemanha, e Cambridge, na Inglaterra.

Essa tendência já havia sido identificada em 2007, em um estudo que utilizou dados de cinco milhões de bebês americanos. Mas a razão para isso era até então desconhecida.

"Estudos realizados até agora demonstraram que homens com idade entre 20 e 35 anos têm o esperma mais saudável", explica o geneticista da Universidade de Cambridge Peter Forster, chefe da equipe que realizou a pesquisa.

Altas taxas de mutação

Os resultados obtidos por Forster e sua equipe são claros – e surprendentes. Afinal, acreditava-se que o material genético de homens mais velhos aumentava o risco de certas doenças, não o de homens jovens.

"Embora estudos nos últimos anos tenham mostrado que especialmente homens jovens transmitem doenças hereditárias a seus filhos, até agora ninguém tinha conseguido explicar por que isso acontece. Descobrimos agora a razão: eles simplesmente têm uma alta taxa de mutação."

Quando a célula se divide, a informação genética precisa ser copiada. Nesse momento o DNA pode escorregar, formando uma sequência genética mais longa ou mais curta. Dependendo das tarefas desempenhadas pelo gene defeituoso, as consequências podem ser graves.

"A taxa de mutação – ou seja, o número de cópias de DNA defeituoso – é um terço mais alta em pais com menos de 20 anos do que em pais com idade entre 20 e 35 anos", explica Forster.

Familie im Park mit Kind

Segundo pesquisa, homens com idade entre 20 e 35 anos têm o esperma mais saudável

Juventude não é sinônimo de saúde

Assim, diferente do que se pensava até agora, genes jovens não são sinônimo de genes saudáveis. "Uma explicação para isso pode ser o fato de o mecanismo de produção de espermatozoides ainda não estar plenamente ajustado no início da puberdade, o que pode causar uma série de erros", opina Forster.

Os pesquisadores estudaram sequências genéticas específicas, claramente passadas de pai para filho e que não podem ser alteradas por fatores ambientais externos: os chamados microssatélites. Cerca de 24 mil amostras de DNA de pais e filhos da Europa, do Oriente Médio e da África foram examinadas.

A equipe liderada por Forster não oferece uma explicação conclusiva sobre as doenças genéticas. "Sempre há fatores externos que influenciam o desenvolvimento de certas doenças, mas que não podem ser medidos. Encontramos uma correlação significativa entre a idade dos pais e a taxa de mutação do material genético deles, o que, naturalmente, não exclui esses fatores."

Além disso, o cientista diz que é importante relativizar os resultados: filhos de homens com idade entre 20 a 35 anos têm 1,5% de chance de desenvolver uma doença originada por mutação genética. "De acordo com as nossas medições, em crianças de pais adolescentes, este risco é de 2%. Mas o mais importante para mim é que 98% das crianças de pais jovens são saudáveis."

Leia mais