1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Filhos abandonados devem pagar por asilo dos pais, diz tribunal alemão

Em controversa decisão, Corte Federal determina que filho assuma despesa de 9 mil euros do pai – com o qual não tinha contato há 43 anos – em asilo. Sentença poderá influenciar outros casos na Alemanha.

Quando o pai saiu de sua vida, ele não tinha nem 18 anos de idade. Ambos ficaram 43 anos sem se falar. Seu pai o deserdou e quando faleceu, há dois anos, o filho recebeu apenas a quota obrigatória da herança.

Mesmo assim, a cidade-estado de Bremen exigiu do funcionário público, hoje com 62 anos, que participasse com cerca de 9 mil euros dos custos do asilo onde seu pai viveu até a morte. A Corte Federal de Justiça, instância superior da Jurisdição Ordinária na Alemanha, deu razão à requerente, suspendendo assim a sentença anterior do Tribunal Superior Regional.

Na audiência oral em janeiro, os juízes da Vara de Família haviam enfatizado que os genitores que rejeitam consequentemente o contato com os filhos abrem assim mão da solidariedade familiar prescrita por lei. Em razão desse "lapso de conduta intencional", podem perder parcialmente o direito à pensão filial.

Veredicto com consequências amplas

A justificativa da nova sentença é bem diversa: mesmo que o pai tenha, mais tarde, cortado os laços familiares, ele cuidou do filho em seus primeiros 18 anos de sua vida, e assim cumpriu essencialmente o seu papel de progenitor, declarou a Corte Federal sediada em Karlsruhe, num comunicado à imprensa. O testamento do pai tampouco implica que a perda do direito à pensão filial: ele apenas fez uso do direito de decidir sobre os próprios bens.

BVG verhandelt über den Elternunterhalt

Corte Federal alemã de Justiça, em Karlsruhe

"O veredicto é de pouca ajuda" e não deverá encontrar compreensão entre o público, objeta o advogado Jörn Hauss,especializado em direito de família. "O pai se afastou deliberadamente do filho. É difícil entender que alguém que nunca experimentou solidariedade familiar seja forçado a tê-la."

A decisão da Corte Federal de Justiça poderá ter consequências bem vastas, já que na Alemanha há cada vez mais idosos cujos cuidados precisam ser pagos. Em geral, o seguro para cuidados na velhice (Pflegeversicherung) só cobre uma pequena parte dos altos custos dos lares para idosos.

Casos como o presente deverão se tornar cada vez mais frequentes no futuro, pois há cada vez mais filhos de casais divorciados que não têm contato com um dos pais e se perguntam por que deverão pagar pela assistência a este na terceira idade.

Para o Estado, problema resolvido

No momento, ainda é raro que se chegue a uma ação jurídica, explica Horst Frehe, conselheiro estatal para assuntos sociais de Bremen. "Não temos tantos casos em que os familiares se recusam a arcar com os custos dos lares. Nesse sentido ficamos felizes que, após esse veredicto, passe a haver segurança legal."

Ele parte do princípio que em decisões futuras sobre a obrigatoriedade da pensão, não terá mais relevância o fato de terem ocorrido conflitos ou rompimentos mais tarde, quando o filho já era adulto.

"Felizmente agora a Corte esclareceu a questão" declarou Frehe em entrevista à DW. Na maioria dos casos, entretanto, o problema é os filhos não poderem pagar as pensões por terem rendimentos insuficientes. Somente na cidade-estado de Bremen, os subsídios públicos para a assistência na terceira idade a pessoas de baixa renda chegam a mais de 150 milhões de euros por ano.

Instituição familiar acima da qualidade das relações

Por sua vez, Brunhilde Ackermann, advogada do réu no recente processo, discorda que o veredicto da Corte Federal de Justiça implique uma obrigação generalizada dos filhos em relação aos pais, já que "nenhum caso é como o outro". "Na prática, certamente haverá casos de configuração totalmente diversa."

Pflegeroboter

Cuidados a idososde baixa renda custam à cidade de Bremem mais de 150 milhões de euros por ano

O jurista familiar Jörn Hauss alerta até mesmo para o perigo de o atual veredicto fazer escola. "Se aceitarmos impunemente essa irresponsabilidade do pai, então a família se transformará na oficina de reparos das falhas estatais", criticou, em entrevista à DW.

Ele argumenta que o problema real é os benefícios do seguro de assistência na velhice não bastarem para cobrir os custos das casas de repouso. "Se a contribuição do Estado fosse mais alta, não seria nem mesmo necessário recorrer aos filhos."

Para Hauss, o presente caso demonstrou, acima de tudo, que a legislação precisa ser revisada. Ele critica o fato de os juízes colocarem o puro parentesco acima da responsabilidade do pai.

"Para mim, o problema parece ser que a Corte Federal de Justiça não investiga a qualidade das relações familiares, e, em vez disso, simplesmente deduz e delibera a partir da instituição dos direitos e obrigações da família", argumenta o especialista. "Não considero que nos dias de hoje, esses critérios estariam ultrapassados.

Leia mais