1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Figueiredo defende diálogo para resolução da crise na Crimeia

Em Paris, chanceler diz que Ucrânia é um país amigo do Brasil e pede respeito ao povo e à vontade dos ucranianos. Ministro francês reforça posição das potências ocidentais de que referendo foi ilegal.

Os ministros brasileiro e francês das Relações Exteriores defenderam nesta quarta-feira (19/03) que a solução para a crise na Crimeia deve passar pela negociação e que os países envolvidos no conflito devem agir com moderação.

Presente em Paris para debater temas da agenda comum com o ministro Laurent Fabius, o chanceler Luiz Alberto Figueiredo defendeu uma solução negociada para o conflito. "Os ucranianos devem falar entre eles para resolver a situação. Todas as partes devem agir com moderação e esperamos que a negociação seja a solução para esta crise", disse.

"A Ucrânia é um país amigo do Brasil, estamos seguindo [a situação] com muita atenção e apoiamos todos os esforços do secretário-geral das Nações Unidas para negociar o problema", garantiu Figueiredo. Ele disse que o Brasil defende uma solução entre todos, num quadro de respeito ao povo e à vontade dos ucranianos.

Fabius, por sua vez, sublinhou que "França e Brasil têm a mesma posição em relação à situação na Ucrânia" e que a França pretende "que o diálogo se possa instalar entre os russos, os ucranianos e os outros países". Ele acrescentou, porém, que "é claro que o referendo foi concretizado em contradição com a Constituição ucraniana e as regras internacionais", uma posição compartilhada por todas as potências ocidentais.

O ministro francês afirmou também que a França propõe o envio de observadores internacionais para a Ucrânia e apela a um acordo entre ambas as partes para que não sejam utilizadas forças militares.

AS/lusa

Leia mais