1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Fifa diz não ver indícios de manipulação no jogo de Camarões

Entidade quer que revista alemã forneça detalhes das conversas com "rei da armação de resultados", que teria previsto o placar horas antes da partida. Entrevistado afirma que falou à revista após o apito final.

A Fifa levantou dúvidas sobre a acusação de possível manipulação do placar da partida entre Camarões e Croácia feita pela revista alemã Der Spiegel. A entidade pediu nesta quarta-feira (02/07) que a publicação apresentasse provas que sustentem que um "rei da armação de resultados" previu a vitória por 4 a 0 da Croácia antes do apito inicial.

Segundo a revista, Wilson Raj Perumal, singapurense condenado em seu país e na Finlândia por coordenar fraudes em competições esportivas, teria afirmado saber do placar e detalhes da partida horas antes do jogo, disputado em 18 de junho.

A Fifa agora quer que a Spiegel forneça detalhes de todas as suas conversas com Perumal para provar sua alegação de que a derrota de Camarões pode ter sido manipulada.

Segundo o diretor de Segurança da Fifa, Ralf Mutschke, no mercado de apostas esportivas não há indícios de que alguma das 56 partidas da Copa até o momento tenha sido suspeita, e a Fifa tem "dúvidas substanciais sobre a suposta manipulação ".

"O artigo [da revista] colocou em questão a integridade dos jogos da Copa do Mundo, o que é uma alegação séria", disse Mutschke num comunicado lido por sua porta-voz no Maracanã, nesta quarta-feira.

A revista semanal alega que, numa conversa no chat do Facebook, Perumal disse saber o placar antes do jogo – 4 a 0 para a Croácia – e que um jogador da equipe africana seria expulso no primeiro tempo. O meio-campista Alex Song levou um cartão vermelho pouco antes do intervalo. Perumal, no entanto, nega ter falado de resultados antes da partida.

Sem indícios de fraude

Atividades suspeitas em casas de apostas costumam ser um indício de que o placar de um jogo possa ter sido combinado para que sindicatos de apostas ilegais lucrem. Isso inclui quantias fora do comum apostadas num jogo, apostas feitas em horários incomuns ou sobre acontecimentos específicos, como uma expulsão, por exemplo.

A Fifa afirma não ter encontrado nenhuma atividade suspeita em torno desta partida específica ou qualquer outro jogo do Mundial no Brasil. "A Fifa monitorou todos os 56 jogos até agora e vai continuar monitorando os oito restantes deste Copa", garante Mutschke.

Num comunicado divulgado nesta terça-feira, Perumal afirma que seu bate-papo no Facebook com o repórter da Spiegel sobre a equipe de Camarões ocorreu três dias após o jogo, e não horas antes, como a revista disse. Os autores da biografia de Perumal enviaram cópias da conversa para a Associated Press, que mostravam a data de 21 de junho.

Rafael Buschmann, o repórter que assina a matéria da revista alemã, escreveu um e-mail para a agência de notícias reiterando que a conversa foi feita antes do jogo. Buschmann não respondeu aos telefonemas e e-mails com pedidos para fornecer cópias da conversa.

WM 2014 Gruppe A 2. Spieltag Kamerun Kroatien

Croácia venceu Camarões por 4 a 0, em mais uma derrota do time africano em Copas do Mundo

Camarões investiga

As alegações feitas pela revista motivaram a Federação de Futebol de Camarões (Fecafoot) a abrir uma investigação oficial sobre a possível manipulação de resultados. Dos 15 jogos disputados pelo time em Copas do Mundo desde 1990, Camarões saiu vitorioso em apenas de um.

"É estúpido pensar que alguém teria manipulado os resultados de Camarões no Brasil", disse o ex-goleiro do time Joseph-Antoine Bell, que defendeu a seleção africana em três Copas do Mundo. "Por que qualquer pessoa ou grupo de pessoas organizaria um esquema desses para ganhar de um time que iria perder de qualquer maneira?"

A participação de Camarões no Mundial – com três derrotas em três jogos – foi cercada de polêmicas. Na goleada da Croácia, Assou-Ekotto e Moukandjo chegaram a trocar tapas em campo e só não foram expulsos porque o trio de arbitragem não viu.

Antes do início do torneio, jogadores fizeram greve em treinamentos e chegaram a ameaçar não viajar ao Brasil por discordarem da premiação prometida pela Fecafoot. O impasse só se solucionou após intromissão do governo federal.

BA/ap/dpa

Leia mais