1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Festival debaixo de cobertores

Filmes por todos os lados em Berlim! Bons tempos, mas não para a "classe média do cinema". Esta, embora seja leitora dos cadernos de cultura e carregue diplomas universitários na bolsa, acaba ficando de fora da festa.

default

Sala de cinema para fugir do frio

O Festival de Cinema de Berlim, do ponto de vista geográfico, é o mais nórdico entre as mostras Classe A. Esta localização no mapa acaba surtindo menos efeito no programa do que na atmosfera do evento. Já em 1978, o então diretor da Berlinale transferia o festival do verão europeu para o gélido fevereiro.

A decisão foi sensata do ponto de vista econômico (nenhum outro festival europeu de grande porte acontece no inverno), mas a que preço? Berlim, em fevereiro, é extremamente fria. Por isso, a Berlinale (nome oficial do festival) é um evento que acontece dentro de casa - longe das passarelas públicas, mas, em compensação, no aconchego "dos cobertores".

Até chegar lá, no entanto, há um longo caminho. O primeiro obstáculo é a escolha dos filmes, ou seja, a confecção da lista de favoritos. Por sorte, a revista do festival ajuda, com descrições detalhadas. O berlinense interessado opta então por uma das várias "ilhas de café latte" ao seu redor, onde, ao fazer sua lista de filmes prediletos, expõe a quem quer que seja seu "currículo cinematográfico" recém adquirido.

Exatamente aí começa, para muitos, a frustração. Percebe-se, então, que o acesso a eventos classe A não passa de uma ilusão. Sendo assim, só resta uma esperança: soltar, como bom fã, gritinhos histéricos frente às estrelas que desfilam sobre os tapetes vermelhos do Berlinale Palast.

Filas quilométricas a la socialismo real

Berlinale Palast mit rotem Teppich

Tapetes vermelhos para vips de plantão

A compra dos ingressos não deixa de ser uma tortura. Com programa e caneta na mão, vai-se até uma das bilheterias do festival. A reação frente às filas quilométricas a la socialismo real é de desespero. Com a posição número 128 na fila, toma-se um belo chá de cadeira. Em pé.

Antes disso, diga-se de passagem, a neve começa a derreter e gotinhas penetram lentamente nos sapatos, deixando bordas brancas nada estéticas sobre o couro. No mais tardar neste momento, chega a hora de pensar em colocar os pés no chão. Desta vez, não no sentido literal.

A funcionária da bilheteria sai, então, de seu casulo, e risca com um pincel vermelho vários títulos da lista de filmes. Ingressos esgotados. Durante uma espera realativamente normal, isso ainda acontece algumas vezes. Quando se chega, enfim, ao guichê, a mesma funcionária sai mais uma vez e elimina o último dos filmes que pertenciam à lista de favoritos.

Ter esperado em vão, nem pensar. Assim sendo, pega-se qualquer entrada para um B-movie, que vem a deixar mais tarde a pergunta no ar: por que este filme atraiu tantos espectadores? Até que se reconhece, aqui e ali, outros "colegas de fila". Querendo ver tudo com bons olhos, pode-se dizer até que esse princípio da espera infinita carrega consigo uma boa dose de paquera - e, desta forma, previsões de cinema sob os cobertores.

Nível mais alto em Weimar?

Eröffnungstag Berlinale 2002 Berlinale Palast

Festas noturnas: acesso só para convidados

E como bom morador de metrópole com espírito missionário, convida-se, com prazer, amigos da província para o grande acontecimento cinematográfico na capital. O que pode dar completamente errado. Em função das razões descritas acima, só foi possível conseguir entradas para um filme de lésbicas fantasiadas de pirata - que, segundo dizem, deve ser muito bom.

E assim leva-se a visita de Weimar - uma cidade que não se caracteriza precisamente pela pobreza cultural - a uma sessão do Festival de Cinema de Berlim. Ali, ele tem a oportunidade de conhecer um gender film e ver mulheres barbadas e com bigodes nada suaves, crescidos às custas de boas doses de hormônio.

Diante de um som que deixa a desejar e ouvindo a monotonia do ruído do ar condicionado, o sono é inevitável. Depois dos créditos finais, pergunta-se, cuidadosamente, ao não berlinense, o que ele achou. A resposta vem com orgulho: "No festival de cinema dos estudantes da Universidade de Weimar, o júri não teria aceitado isso". Ui!

Leia mais

Links externos