1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Festival de Oberhausen garante vida longa aos curtas

A recente edição do Festival de Oberhausen comprovou mais uma vez a atualidade do formato do curta-metragem. Os novos fóruns de veiculação na rede, como o YouTube e similares, contribuem para um 'boom' do gênero.

Recém-encerrado, o Festival de Curtas de Oberhausen serviu mais uma vez como espaço de reflexão sobre o cinema. Considerado um dos fóruns mais importantes para os curtas-metragens do mundo, o festival levanta algumas questões em torno do formato ao qual se dedica. Paira sobretudo a pergunta a respeito da relevância do curta e sobre sua persistência em existir, já que, apesar dos esforços dos donos de salas de cinema, de distribuidores e de outras instituições, há quem acredite que eles desapareceram da paisagem cinematográfica.

Festival resiste, apesar das transformações da mídia

Kurzfilmtage Oberhausen 2011

Lars Henrik Gass, diretor do Festival de Oberhausen desde 1997

O tradicional Festival de Oberhausen deixa claro, porém, que pelo menos no meio cinematográfico alemão o curta-metragem sobrevive e está mais presente do que nunca. Apesar da tão aclamada transformação das mídias, das mudanças de comportamento no que diz respeito às formas de lazer, da internet e da revolução digital, o formato do curta dá provas de resistência.

Lars Henrik Gass, diretor do Festival desde 1997, está ciente disso tudo. Ele modificou a mostra no decorrer dos últimos anos, tornando-a aberta para novas formas e transformando-a em um espaço onde o discurso sobre o cinema se mantém vivo. E isso tudo em uma cidade como Oberhausen, cuja tristeza da paisagem urbana chega a chocar quem vem de fora.

E Gass dedicou ainda ao tema o livrinho Film und Kunst nach dem Kino (O filme e a arte depois do cinema), editado pela Philo Fine Arts – uma espécie de guia filosófico-cultural sobre o gênero e um breviário conceitual do festival, cujas reflexões vão bem além do cotidiano da mostra.

Espécie de "estação final" para os filmes

Segundo Gass em entrevista à DW, os festivais passaram a exercer hoje uma função totalmente diferente no meio cinematográfico. Antigamente, eles assumiam principalmente a tarefa de exibir filmes, que depois seriam mostrados no cinema. Hoje, são mais uma espécie de "estação final" para os filmes, aponta Gass.

Ou seja, é comum que muitos dos filmes exibidos em um festival nunca cheguem à programação regular de um cinema. "Os festivais acabaram assumindo o papel imprevisto, do ponto de vista histórico, de aproveitamento de filmes que nunca teriam uma perspectiva comercial ou que a teriam, mas somente de maneira muito limitada", completa o diretor do Festival de Oberhausen.

Oberhausen Filmfestival 2012 Item Number

'Item Number', de Oliver Husain: vencedor do festival deste ano

E como a produção cinematográfica cresceu como um todo, aumentou também o número de festivais no mundo. Gass relata que quando assumiu a direção de Oberhausen, em 1997, recebia inscrições de 2700 filmes. Hoje, são mais de 6 mil. Uma evolução respeitável, acredita. Gass não compreende, neste contexto, reclamações acerca de um suposto "excesso de festivais", uma vez, que, segundo ele, há um público interessado e uma demanda cultural suficiente.

"Festival como universidade"

"Imagino um festival como uma grande universidade", diz Gass, deixando claro que a programação do festival que dirige não gira mais em torno de uma mostra competitiva e de curtas selecionados da Alemanha e do mundo. Há anos, por exemplo, os videoclipes de música foram inseridos na programação fixa do festival – um formato que se desenvolveu depois da decadência da MTV. E não se pode esquecer que a avalanche de curtas, que circulam hoje em dia em canais como YouTube, contribuem para o boom do gênero.

Oberhausen Filmfestival 2012 Café Regular

'Café Regular' (Egito/Índia), de Ritesh Batra: prêmio da crítica em 2012

Oberhausen adquiriu também um feeling para os artistas, ou seja, para a interseção entre o cinema e as artes plásticas, oferecendo fóruns de discussão regulares sobre o assunto, que vão além da exibição de filmes. O festival publica ainda livros e DVDs em edições especiais e mantém naturalmente uma abertura às novas mídias, tornando-se um lugar de debate consistente sobre o assunto. "A internet não é uma ameaça para nós, nem uma concorrência, mas uma chance para o festival", resume Gass.

Lembrança de 1962

O festival deste ano não deixou naturalmente de lembrar os 50 anos do lendário "Manifesto de Oberhausen", que sacudiu o cinema alemão do pós-guerra com seus preceitos fixos, em 1962. E além disso, Oberhausen assume agora a condição de produtor de uma série de dez capítulos, dirigida pelo jovem Maximilian Linz e intitulada Das Oberhausener Gefühl (O sentimento de Oberhausen).

A série gira em torno da revolução político-cinematográfica do referido Manifesto de 1962. "A concretização desta série já diz alguma coisa sobre as condições de produção cinematográfica na Alemanha", fala Maxilian Linz.

Autor: Jochen Kürten (sv)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais