Festival de Cinema de Berlim confirma predileção por temas incômodos | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 10.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Festival de Cinema de Berlim confirma predileção por temas incômodos

"OK" de Verhoeven e "O franco atirador" de Cimino confrontaram, no passado, o Festival de Cinema de Berlim com sua opção pela reflexão, em detrimento do glamour hollywoodiano. Uma vocação que perdura, 61 anos depois.

default

Urso de Ouro: premiação máxima

O Festival Internacional de Cinema de Berlim, conhecido dentro do país como Berlinale, inicia sua versão de 2011 sob o signo do protesto pelos direitos humanos. Apesar de encontrar-se preso em seu país, por suas críticas ao sistema, o diretor iraniano Jafar Panahi foi designado como jurado. Sua cadeira permanecerá vazia, porém sua obra cinematográfica será celebrada numa mostra exclusiva.

Desde quando foi fundado, em 1950, o festival tem sido também uma questão política. Sua função não era apenas trazer brilho e glamour à quase totalmente destruída Berlim Ocidental: seu fundador, o "oficial de cinema" norte-americano Oscar Martay, também concebeu o evento como "vitrine do mundo livre" na Alemanha Oriental, em pleno bloco comunista.

Após as confrontações iniciais, a Berlinale se transformou gradativamente em um ponto de encontro entre Leste e Oeste. Um perfil que se dissolveu, até certo ponto, após a queda do Muro de Berlim e o colapso do comunismo soviético.

Flash-Galerie Berlinale 2011 Jury plus Jan Chapman und Jafar Panahi

Festival 2011 e seu júri, encabeçado por Isabella Rossellini (ao centro)

Opção pelo político

Ainda assim, a reflexão sociopolítica permaneceu marca registrada do festival, hoje em sua 61ª edição. Já no final da década de 1960, a Berlinale se despedia definitivamente de qualquer pretensão a ser um evento cheio de glamour, e a guinada em direção à crítica política não transcorreu sem atritos.

Como o desencadeado em 1970 por OK, de Michael Verhoeven, incluído na mostra competitiva. Nele, um soldado tentava em vão denunciar a seus superiores o estupro e assassinato de uma cidadã civil.

O presidente do júri e outras personagens exigiam que a produção fosse retirada da competição, alegando antiamericanismo. Em reação, os cinemas onde estreou foram ocupados, numerosos realizadores protestaram, o júri renunciou e a Berlinale teve que ser interrompida.

Esse foi o impulso inicial para uma reforma do festival. No ano seguinte, era introduzido o Fórum Internacional do Cinema Jovem (Forum), que até hoje se dedica ao cinema de autor não convencional.

Tensão Leste-Oeste

Deutschland Berlin Berlinale Filmszene Die durch die Hölle gehen

Cena de 'O franco atirador'

Com a política de distensão do chanceler federal Willy Brandt, a relação entre o Ocidente e o Leste da Europa melhorou. Em 1974 era exibida pelo festival, pela primeira vez, uma produção soviética; no ano seguinte, mais uma da Alemanha Oriental.

Em 1979, uma nova polêmica: na opinião da delegação soviética, o filme O franco atirador ( The deer hunter), de Michael Cimino, ofendia em certas cenas o povo vietnamita. Diversos países do bloco soviético reagiram abandonando o festival.

Apesar de tais incidentes, a Berlinale manteve seu perfil, defendendo até hoje a liberdade religiosa e formas de vida alternativas. A seção Panorama, por exemplo, tem entre seus pontos fortes a abordagem de temáticas homossexuais.

Cinema gay e jovens talentos

Pedro Almodovar 1990 Berlin

Pedro Almodóvar (centro) em 1990, em Berlim

Em 2011, o Teddy Award, o mais antigo prêmio do cinema gay do mundo, será entregue pela 25ª vez. O organizador do Panorama, Wieland Speck, considera importante tematizar a situação dos homossexuais em todo o mundo, também nos países islâmicos.

"Tivemos a sorte de, logo no primeiro ano do Teddy, premiar dois cineastas que ninguém conhecia por aqui: Pedro Almodóvar e Gus van Sant, que mais tarde se tornariam astros internacionais." Hoje, prossegue Speck, essa ênfase constante no filme de temática queer é um dos motivos pelos quais milhares de espectadores de todo o mundo vêm para a capital alemã.

Por sua vez, a academia Talent Campus se ocupa das novas gerações de realizadores. Durante uma semana, cerca de 350 jovens profissionais e estudantes de cinema de todo o mundo têm a possibilidade de aprender com mestres das diferentes áreas cinematográficas, em oficinas, palestras e debates.

Autoria: Bernd Sobolla / Augusto Valente
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais