Festival de Cannes mostra renovação do atual cinema brasileiro | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 20.05.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Festival de Cannes mostra renovação do atual cinema brasileiro

Os diretores dos dois longas-metragens brasileiros selecionados para o Festival de Cannes deste ano falaram à Deutsche Welle sobre seus filmes e a renovação no cinema contemporâneo brasileiro.

Cena de 'Trabalhar Cansa'

Cena de 'Trabalhar Cansa'

Neste ano, o Brasil foi representado no Festival de Cinema de Cannes por dois longas, um curta e um média-metragem. O curta Duelo antes da noite, de Alice Furtado, foi apresentado na mostra paralela Cinéfondation. Já o média-metragem Permanências, de Ricardo Alves Júnior, foi exibido na Semana da Crítica.

Os longas O abismo prateado, de Karim Aïnouz, e Trabalhar cansa, da dupla de diretores Juliana Rojas e Marco Dutra, também estrearam na Croisette em 2011. Nem o cearense Karim Aïnouz nem a dupla de cineastas paulistas são iniciantes na maior vitrine do cinema mundial.

Em 2002, o filme Madame Satã de Aïnouz concorreu na seção da mostra oficial Um Certo Olhar, dedicada a diretores de primeiros longas-metragens. Em 2007, o curta Um ramo da dupla paulista ganhou o prêmio do júri na mostra paralela Semana da Crítica. Em 2011, o novo filme do diretor cearense foi selecionado para a mostra paralela Quinzena dos Realizadores, e o filme da dupla paulista competiu em Um Certo Olhar.

Nova geração

Em entrevista à Deutsche Welle, Karim Aïnouz disse ver um aspecto muito positivo na seleção de filmes brasileiros nos recentes festivais de Cannes: "Neste ano, o Marco Dutra está em Um Certo Olhar, no ano passado foi o Felipe Bragança, que estava na Quinzena dos Realizadores com Alegria. E há dois anos, houve o filme do Eduardo Valente No meu lugar, cujo roteiro foi escrito pelo Marco Dutra e pelo Felipe Bragança".

Alessandra Negrini em 'O abismo prateado'

Alessandra Negrini em 'O abismo prateado'

O diretor acredita que esteja acontecendo uma renovação muito importante no cinema contemporâneo brasileiro. "Há a emergência de uma nova geração, que é uma geração após a minha e que tem uma erudição cinematográfica muito grande."

Segundo Aïnouz, são pessoas que vieram da crítica ou de escolas de cinema e que têm uma prática bem diferente da sua geração, "que começou num momento onde não havia cinema, quando as coisas estavam se reorganizando." O diretor falou ainda do resgate do gênero no cinema brasileiro.

O cineasta explicou que tanto seu filme quanto Trabalhar cansa teriam elementos de filme de terror e que a importância do cinema de gênero no Brasil vem do fato de o público estar acostumado a vê-lo na televisão. E, como código estabelecido, o público se relaciona com o gênero de maneira muito mais familiar. Além disso, ambos os filmes tratariam de temas de classe média, uma experiência também bastante comum na televisão, acrescentou.

Trabalhar cansa

Em 2011, o filme de Marco Dutra e Juliana Rojas foi o único representante brasileiro selecionado para competir em uma mostra oficial em Cannes. A trama da película gira em torno de uma dona de casa que concretiza um antigo sonho de abrir uma venda no bairro, para a qual aluga um lugar abandonado. Ao mesmo tempo, seu marido é despedido, um acontecimento que traz mudanças importantes em sua relação. No entanto, o mais aterrorizante não é o desemprego, mas os misteriosos acontecimentos na loja e o aparecimento de restos de animais pré-históricos que inquietam a proprietária.

Drama social encontra cinema de horror

Drama social encontra cinema de horror

O diretor Marco Dutra disse à Deutsche Welle que espera que, em Cannes, o filme tenha chamado suficientemente a atenção para conseguir distribuidores ao redor do mundo. "Cannes pode ajudar o Trabalhar cansa a ser visto em outros países e isso nos dá muita alegria", explicou Dutra.

Ele explicou que o filme veio da observação do proprietário de um verdadeiro armazém em São Paulo e que a dupla sentiu intuitivamente que um filme que conta a história da transformação de uma dona de casa em chefe poderia ser algo interessante.

"Os temas do trabalho e desemprego são universais e isso também nos recorda nossa própria infância, especialmente quando nossas famílias passaram por tempos duros quando, por exemplo, nossos pais perderam seus empregos. Isso nos marcou e nos pareceu um ambiente natural para tratar o tema na película", sublinhou.

Processo criativo

A mescla de filme de terror e drama social veio do fato de a dupla adorar filmes de horror, disse o diretor paulista. "Quando começamos a fazer curtas-metragens, queríamos sempre fazer filmes de horror. Com o tempo, percebemos que alguns projetos que fizemos não eram 100% de terror, mas não podíamos abandonar o gênero, porque era parte importante do nosso processo criativo."

A inspiração da dupla de jovens diretores vem de todas as partes, mas principalmente dos escritores Edgar Allan Poe, Stephen King e da maneira em que mesclam o horror e a vida cotidiana. "Também nos agradam Romero, Carpenter, M. Night Shyamalan, Wes Craven, Mojica e outros diretores que exploram o cinema de horror", explicou Dutra.

Em Cannes, Marco Dutra e Juliana Rojas já começaram a planejar o próximo projeto cinematográfico: As Boas Maneiras, uma história de horror sobre bebês monstros.

Autor: Carlos Albuquerque / Pamela Schulz
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais