1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Festa e desunião no jubileu social-democrata

No 140º aniversário da social-democracia alemã, Schröder diz ser preciso redefinir o Estado de bem-estar social. Para ex-presidente do SPD, chanceler federal quer levar país de volta ao século 19. Partido está dividido.

default

Schröder discursa diante de cartaz com os grandes líderes do SPD após 1945

Esta sexta-feira deveria ter sido um dia exclusivamente de festa para a social-democracia alemã. Há 140 anos, em 23 de maio de 1863, liderados por Ferdinand Lassalle, sindicalistas e esquerdistas fundavam em Leipzig a primeira organização inspirada no ideário social-democrata, a Associação Geral dos Trabalhadores Alemães (ADAV), embrião do atual Partido Social-Democrático da Alemanha (SPD).

No entanto, a estagnação econômica, o crescente desemprego e a situação quase falimentar do sistema de seguridade social e de todo o poder público na Alemanha produziram um cenário inconveniente para os festejos dos social-democratas governistas.

A priori não há em debate qualquer solução concreta fora o desmonte – parcial ou radical – do Estado de bem-estar social, outrora considerado um modelo. A saída da encruzilhada parece passar inevitavelmente pelo corte das conquistas dos próprios social-democratas. A única proposta divulgada publicamente que busca outro caminho veio da Confederação dos Sindicatos Alemães (DGB), mas seu financiamento requer novos empréstimos e, por conseqüência, o aumento do déficit público, muito além das metas do Pacto de Estabilidade da União Européia.

Agenda 2010 divide filiados

Gerhard Schröder und Michael Gorbatschow

O ex-líder soviético Michael Gorbatchov (dir.) foi um dos convidados de Schröder na festa do SPD

O programa de reformas do chefe de governo e atual presidente do SPD, Gerhard Schröder, divide o partido. De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Forsa com 1038 dos quase 700 mil filiados ao Partido Social-Democrático e divulgada na quinta-feira, apenas 51% deles apóiam os planos do chanceler federal. Uma maioria nada confortável. Quarenta e oito porcento exigem mudanças no programa, cortes mais leves ou simplesmente a retirada das propostas.

Schröder não se deixou abalar e, nesta sexta-feira, disse que ainda convencerá seu partido da necessidade das reformas. Manter o fundamento de uma sociedade solidária só seria possível "se nós nos ajustarmos às mudanças radicais", no sentido de redefinir "o que é um Estado de bem-estar social e o que nós ainda poderemos financiar para nós mesmos".

Resistência aos cortes no salário-desemprego

Além disto, o chanceler disse ser importante verificar na pesquisa as razões pelas quais os social-democratas são contra as reformas. A metade dos 48% de opositores considera que elas vão longe demais, mas a outra metade acha que as propostas são tímidas, ressaltou Schröder, que recepcionou na festa oficial do jubileu em Berlim sete chefes de governo e Estado e cerca de 40 presidentes de partidos social-democratas de todo o mundo.

Mesmo que uma pequena maioria apóie o programa de reformas, apenas 34% confiam que a chamada Agenda 2010 reduzirá o desemprego e criará mais postos de trabalho. Do ceticismo comungam 58% dos filiados, segundo o Forsa. A maior resistência no partido (64%) está na redução para 18 meses do período em que trabalhadores acima de 55 anos têm direito a receber salário-desemprego. Quase o mesmo percentual (63%) é contra a privatização do auxílio-doença, o que o tornará facultativo. Por outro lado, 88% dos filiados reivindicam a reintrodução do imposto sobre o patrimônio, idéia há muito descartada pelo governo.

Esquerda quer novo rumo

Contrário à Agenda 2010, o deputado Florian Pronold sentiu-se respaldado pela pesquisa. "Ela mostra claramente o que pensa a base do partido", diz o jovem bávaro. Pronold acrescenta que não deseja "outro chanceler, mas outra política". Quem também aproveitou o jubileu para evidenciar suas divergências com o rumo do partido foi Oskar Lafontaine, ex-presidente do SPD e ex-ministro das Finanças de Schröder. Em artigo no jornal Handelsblatt, o esquerdista lembrou ser "natural que cada tempo exija novas respostas" e que "renovação e reforma" também fazem parte do vocabulário dos social-democratas.

Oskar Lafontaine

Oskar Lafontaine não concorda com as reformas de Schröder

"Na idade da globalização, entretanto, é inevitável que se ressuscite uma prática que caiu no esquecimento nos últimos anos: a cooperação internacional", escreveu Lafontaine, lamentando o esvaziamento da Internacional Socialista. Para o ex-governador do Sarre, cargo que exerceu por 13 anos, os partidos social-democráticos tinham de estar engajados no movimento organizado no Fórum Social Mundial, de Porto Alegre. "O programa dos críticos da globalização é convincente", ressalta o físico, que acrescenta: "Este é um contraponto social-democrata ao mundo da Wall Street".

Segundo Lafontaine, a falta de unidade e confiança entre os governantes social-democratas europeus os leva ao fracasso. "Eles fazem política neoliberal e se admiram com a rapidez com que os eleitores os substituem por originais", advertiu. "Só se o SPD souber de onde vem e fizer de novo da liberdade, justiça e solidariedade a base de sua política, ele poderá vencer os desafios do futuro", concluiu o ex-ministro, para o qual a Agenda 2010 não moderniza o Estado de bem-estar social alemão, mas o faz regredir ao século 19.

Leia mais

Links externos