1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Festa alemã em Hockenheim

GP da Alemanha ainda é fantasma no currículo de Michael Schumacher. Pentacampeão mundial tem três bons motivos para vencer em Hockenheim. Mercedes e BMW também sonham com "sua" festa alemã.

default

Schumi festejou em 2002 sua primeira vitória com uma Ferrari no GP da Alemanha

Michael Schumacher já venceu 68 grandes prêmios em seus quase 12 anos de carreira. Em Hockenheim, o piloto alemão venceu duas vezes (em 1995, com uma Benetton, e no ano passado), tendo subido ao pódio em cinco das dez corridas de Fórmula 1 que ali disputou – desde 1992, só não correu em 1999, por estar com a perna quebrada.

Um rendimento a priori invejável, mas não quando se compara com o desempenho de Schumi em autódromos no estrangeiro. Em três anos, ele nem sequer terminou o Grande Prêmio da Alemanha. O pentacampeão quer domingo exorcizar de vez o fantasma que bloqueia ter exatamente em casa o mesmo sucesso de em outros países.

Entre as razões para os seguidos insucessos no circuito localizado quase às margens do Rio Reno, Schumacher aponta o traçado antigo como "desvantajoso" para seu carro. Antes da primeira vitória do alemão com a Ferrari no Hockenheimring no ano passado, o autódromo passou por uma ampla modernização. "Espero que o nó tenha se desfeito. Gostaria de melhorar meu balanço", afirma o pentacampeão.

Desta vez, há concorrência

"Só que os demais pilotos também o desejam", acrescenta o alemão, prevendo uma corrida disputada, bem diferente da de 2002, quando largou já como campeão da temporada. De fato, o atual campeonato é o mais disputado dos últimos anos. Faltando cinco corridas, Schumi lidera com apenas sete pontos de vantagem sobre Kimi Raikkonen, da McLaren-Mercedes. Uma diferença nada segura. Vencer em Hockenheim deixaria o caçador de recordes bem próximo do hexacampeonato, um título inédito na história da Fórmula 1. E, para seu currículo particular, entraria como a 50ª vitória com a Ferrari.

O alemão não conta com o pinto no ovo da galinha. "Enquanto não estiver com o título na mão, terei dúvidas de que o conseguirei. Sou assim. Minha experiência diz que quem não faz autocrítica, não tem sucesso", professa o melhor piloto da F1 de todos os tempos.

Rivais alemães também querem festa em casa

Na concorrente BMW, que fornece os motores para a equipe Williams, o diretor de automobilismo Mario Theissen e o piloto Ralf Schumacher já jogaram a toalha. Para Theissen, a briga pelo mundial de pilotos está decidida a favor do pentacampeão. "A conquista do campeonato tornou-se uma idéia muito distante, mas quero vencer o grande prêmio em nosso país", diz Ralf, que após ter saído sem pontos de Silverstone viu suas esperanças de disputar o título se desmancharem.

Otimismo existe ainda na Mercedes, que também sonha com uma festa no GP nacional. A montadora, fornecedora da escuderia McLaren, está mais que satisfeita com a atual temporada. Apesar de o carro desenvolvido para este ano ainda não ter estreado, o finlandês Kimi Raikkonen já subiu sete vezes no pódio em 2003, mais do que qualquer outro piloto. Com Hockenheim a apenas 120 quilômetros de sua sede em Stuttgart, a Mercedes mais do que ninguém considera o GP da Alemanha o "seu" grande prêmio.

Hino brasileiro já tocou sete vezes

Enquanto os alemães torcem por fazer de Hockenheim palco de sua festa, as estatísticas mostram que ali dominam pilotos brasileiros e escuderias inglesas. Das 26 vezes em que o circo da F1 esteve no circuito, sete terminaram com a bandeira verde-amarela hasteada no ponto mais alto. Nélson Piquet venceu em 1981, 1986 e 1987, enquanto Ayrton Senna reinou de 1988 a 1990 e Rubens Barrichello festejou em 2000. Já os britânicos levaram o troféu de equipe 16 vezes; metade delas coube à McLaren.

Leia mais