Feira industrial de Hannover aconselha a ″inovar para sair da crise″ | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 20.04.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Feira industrial de Hannover aconselha a "inovar para sair da crise"

Ao lado da proteção do clima e da eficiência energética, a crise global é o grande tema da Feira Industrial de Hannover em 2009. Sobre ela se fala com franqueza incomum – mas o tom dominante ainda é de otimismo.

default

Bandeira da feira

O presidente alemão, Horst Köhler, abriu oficialmente neste domingo (19/04) a Feira de Hannover. Durante cinco dias, até a próxima sexta-feira, 6.150 expositores de 61 países apresentam, na maior mostra industrial do mundo, suas soluções para otimizar os processos de produção.

Tendo como país-parceiro a Coreia do Sul, o evento deste ano ostenta o slogan "Inovação para sair da recessão". Entre os focos estão proteção do clima, eficiência energética e automatização.

Indústria é pilar da economia alemã

Hannover-Messe 2009 Bundeskanzlerin Angela Merkel, links, und der Ministerpräsident der Republik Südkorea Han Seung Soo eroeffnen am Montag, 20. April 2009, feierlich den koreanischen Stand

Premiês Angela Merkel (e) e Han Seung Soo, da Coreia do Sul, na abertura do evento

Hannover, capital da Baixa Saxônia, mostra-se de seu melhor ângulo: sol resplandecente, temperaturas amenas, dias primaveris como num conto de fadas.

Mas bastará isso para manter os ânimos no gigantesco terreno da feira? Afinal, ela transcorre em meio à mais profunda crise atravessada pela economia mundial nas últimas décadas, tendo a indústria como principal vítima. E a indústria é o cavalo de batalha da economia alemã, responsável por quase um quarto do Produto Interno Bruto do país.

O diretor da Feira de Hannover, Wolfram von Fritsch, registra mais de 4 mil novidades, para ele uma prova de que a indústria não se retrai, mas sim procura se afirmar, "com muitas ideias, muitos programas, bons temas e verdadeiro espírito empreendedor".

"Este ano há, com certeza, uma expectativa especial em torno da Feira de Hannover, pois aqui se demonstrará como a indústria pode contribuir para o desenvolvimento de inovações econômicas e para uma saída mais rápida da crise", avalia Von Fritsch.

A importância de ser paciente

BdT Aqua Pinguin Messe Hannover

'Aqua-Pinguin': inovação em Hannover

As inovações tecnológicas da feira representam, sem dúvida, um enorme potencial. Na opinião de Hans-Peter Keitel, presidente da Confederação da Indústria Alemã (BDI), "quando passar a crise, estas são exatamente as coisas de que precisaremos".

No entanto, paciência é do que mais se precisa, no momento, já que nada aponta para uma recuperação rápida. Grande parte dos clientes se mostra reticente no tocante a novas aquisições, à proporção que os bancos se retraem na concessão de créditos para esse fim. Só quando o dinheiro voltar a fluir poderá haver uma melhora.

Franqueza e desafio

Espantoso é o grau de franqueza com que os empresários falam de sua situação em Hannover: cortes de encomendas de 30% ou 40%, faturamento em declínio, redução das jornadas de trabalho; é o que se ouve em muitos estandes. Mas também um tom quase desafiador, de "não nos deixaremos abater".

A feira de informática CeBIT, realizada há seis semanas na mesma locação, acusou uma drástica diminuição do número de participantes, o que, no entanto, não ocorre com o atual evento. Este fato dá esperanças – ou, quem sabe, os expositores comparecem para dar esperança uns aos outros?

Prognósticos esperançosos

Justamente a fabricação de máquinas e equipamentos, setor-modelo da indústria alemã, vem sendo duramente atingido pela crise, após cinco anos de expansão. Em fevereiro de 2009 foi registrada a metade das encomendas do mesmo mês no ano anterior.

Hannover Messe

Automatização é um dos temas

Não obstante, as empresas que expõem em Hannover mantêm o otimismo. Peter Smits, presidente da divisão alemã do conglomerado ABB, aconselha as empresas que queiram manter sua competitividade a aumentar a produtividade e a fazer os investimentos necessários para poder começar melhor, após a crise.

O empresário Manfred Wittenstein, presidente da VDMA (associação dos fabricantes de máquinas e equipamentos da Alemanha), vislumbra algo como uma luz no final do túnel. Ele crê que o ponto crucial da crise será atingido no início do segundo semestre, e que as perspectivas voltarão a ser positivas perto do fim do ano.

Os dados estatísticos para confirmar sua teoria só chegarão em um a dois meses. Porém, segundo a VDMA, já voltam a fluir as encomendas do Brasil, da China e da Índia. As cifras negativas diminuem: assim é o otimismo em tempos de crise.

Autor: Henrik Böhme
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais