1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Feira de Hannover destaca "indústria integrada"

Chamado também de Quarta Revolução Industrial, modelo contempla maior integração e otimização entre os processos de produção. Entre os benefícios está, por exemplo, a economia de energia.

"Indústria integrada" – ou "indústria 4.0" – é o tema principal da Feira de Hannover deste ano, que vai até 12 de abril na capital do estado alemão da Baixa Saxônia. O modelo, que especialistas chegam a chamar de Quarta Revolução Industrial, contempla a interconexão plena dos processos de produção. Ou seja: as máquinas se comunicam com os componentes e vice-versa, e algumas células de uma máquina com o restante.

"Tomemos como exemplo determinadas células de produção, responsáveis pela produção de alguns componentes, que são adicionados a elas", explica Roland Bent, diretor da empresa de instalações industriais Phoenix Contact, do estado da Renânia do Norte-Vestfália. "Algumas vezes, a célula tem de esperar por novos componentes. E, nesse meio-tempo, é possível mantê-la num estado energético otimizado – por assim dizer, colocá-la para dormir."

Russian President Vladimir Putin holds the hand of German Chancellor Angela Merkel as they visit the Russian booth during a tour through the Hanover Messe on the first day of the industrial trade fair, in Hanover April 8, 2013. Russia is the partner country of the Hanover fair 2013, which runs from April 8 -12. REUTERS/Fabrizio Bensch (GERMANY - Tags: POLITICS BUSINESS)

Merkel e Putin na inauguração da feira

No entanto, esclarece, o conjunto deve acordar rapidamente, quando os novos componentes chegarem para o processamento. "Justamente para isso – para um sono ideal e um acordar a tempo – funciona nosso controle de energia. Esta é uma parte muito importante do tema ‘indústria 4.0' ou 'indústria integrada'. Também aqui se encontram sistemas tecnológicos inteligentes, que estão respectivamente interconectados e se comunicam entre si", completa Bent.

Poupar energia

O resultado foi uma redução de 15% do consumo energético da linha de produção. A eficiência energética também está ligada à nova geração de motores hidráulicos, que a subsidiária alemã da empresa de máquinas industriais americana Parker Hannifin levou a Hannover. Um programa especial de computador agrupa, para cada tarefa, os componentes mais econômicos energeticamente, como bombas ou motores.

"Quanto mais velha for uma máquina, mais se pode economizar com uma substituição", diz Gerd Scheffel, diretor da Parker Alemanha. "Em relação às máquinas mais recentes, elas ainda economizam 30% de energia, frente às máquinas antigas, essa economia é de até 80%."

Hannover Messe (Russischer Messestand)

Rússia levou 176 expositores para Hannover

A melhoria da comunicação entre máquinas e peças tem vantagens adicionais. Assim, o fabricante de robôs industriais Kuka apresenta agora um modelo em série, que também deve proceder com sensibilidade no duro cotidiano industrial. Cada articulação é equipada com sensores e reage ao menor contato. Colocando-se, inesperadamente, um copo d'água em frente ao braço do robô, ele retarda seu movimento tão suavemente que nenhuma gota é derramada.

"Por meio de um detector de colisões, agora é possível que homens e máquinas trabalhem juntos", afirma Johannes Kurth, responsável na firma Kuka pelo setor de Desenvolvimento Estratégico. "Até agora foi necessário separar homens e máquinas através de cercas. Com esses robôs, no entanto, as pessoas podem trabalhar bem próximas."

Rússia como país-convidado

Pela primeira vez na Feira de Hannover mais da metade dos expositores não vêm da Alemanha, assim a feira tornou-se mais internacional. Neste ano, a Rússia é o país-convidado.

Hannover Messe 2013 Industrieroboter

Seres humanos e máquinas estão mais próximos

"Primeiramente, a Rússia é uma grande potência", disse o presidente da Deutsche Messe, Jochen Köckler, empresa que promove o evento. "Em segundo lugar, a Rússia exerce um papel importante no que diz respeito à mudança da matriz energética como, por exemplo, no fornecimento de gás natural. E, finalmente, a própria Rússia pretende expandir e modernizar a produção industrial, aprendendo também com as estruturas na Alemanha e construindo um setor de médio porte."

No ano passado, o país convidado foi a China. De lá vieram neste ano 734 empresas para Hannover. Os chineses compõem, de longe, o maior contingente de firmas estrangeiras, seguidos pela Itália (518), Turquia (228) e Rússia (176).

Leia mais