1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Fed mantém taxa de juros básicos inalterada

Banco central americano reconhece queda na geração de empregos, mas assinala que a atividade econômica continua crescendo nos EUA. Comitê do Federal Reserve, porém, sinaliza possível elevação em dezembro.

O Federal Reserve (Fed), o banco central dos Estados Unidos, manteve nesta quarta-feira (28/10) a taxa de juros próximas de zero, como era esperado, mas deixou em aberto a possibilidade de uma subida em dezembro.

O comitê de mercado aberto do Fed (Federal Open Market Committee, em inglês) assinalou que a atividade econômica continua crescendo num ritmo moderado e reconheceu que a geração de empregos perdeu fôlego, mas sublinhou o crescimento "sólido" dos gastos dos consumidores e dos investimentos das empresas.

Em comunicado divulgado após uma reunião de dois dias, o Fed não fez qualquer referência à possibilidade de a situação econômica e financeira global ter impacto no crescimento dos Estados Unidos, como fez em setembro.

Além disso, o Federal Reserve mostrou preocupação com o abrandamento da economia chinesa e com a turbulência nos mercados financeiros, mas afirmou que está monitorando os desenvolvimentos econômicos e financeiros do exterior, mas que, por ora, manterá a sua taxa de juros inalterada próxima de 0%.

Para agravar a situação, os bancos centrais da zona do euro e da China estão atuando com mais flexibilização em suas políticas, mantendo uma pressão sob o dólar americano. Um dólar mais forte prejudica os exportadores americanos e atua como um freio na inflação.

O Fed tem mantido a taxa de juros próximas de zero (entre zero e 0,25%) desde o fim de 2008 para apoiar a recuperação do mercado americano após a crise financeira.

Apesar de eliminar a referência à situação internacional, o comunicado do Fed é muito parecido com o que foi

divulgado após a reunião anterior

. Desta vez, no entanto, o Federal Reserve dos EUA deixa em aberto a possibilidade de um aumento das taxas no encontro entre 15 e 16 de dezembro.

"Para determinar se será apropriado aumentar o nível das taxas na próxima reunião, o comitê analisará os progressos esperados e aqueles alcançados tendo em vista os objetivos de pleno emprego e de uma inflação de 2%", diz o comunicado.

PV/lusa/dpa/rtr/afp

Leia mais