FBI não deve operar com base em ″insinuações″, diz Obama | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Estados Unidos

FBI não deve operar com base em "insinuações", diz Obama

Presidente americano sai em defesa de Hillary Clinton em escândalo de e-mails que voltou a ser investigado pelo FBI. Para Obama, democrata cometeu "erro honesto", que foi superdimensionado.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, saiu em defesa da candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton, ao pronunciar-se pela primeira vez sobre o escândalo de e-mails envolvendo a colega desde que o FBI anunciou, na semana passada, que voltou a investigar o caso.

"Acredito que existe uma norma que, quando há investigações, nós não trabalhamos com insinuações, não trabalhamos com informações incompletas e não trabalhamos com vazamentos", disse Obama, em entrevista ao portal americano NowThis divulgada nesta quarta-feira (02/11). "Nós trabalhamos com base em decisões concretas que foram tomadas", acrescentou o democrata.

Na última sexta-feira, a menos de duas semanas das eleições presidenciais, a polícia federal americana revelou que novos e-mails estão sendo investigados como parte de um inquérito – que já havia sido encerrado – que apura o uso, por parte de Hillary, de um provedor privado de e-mails para tratar de assuntos do governo, quando ainda erasecretária de Estado americana, entre 2009 e 2013.

Na entrevista, Obama lembrou que, quando uma investigação "exaustiva" sobre o caso foi feita, "a conclusão do FBI, do Departamento de Justiça e das repetidas investigações no Congresso foi de que ela tinha cometido alguns erros, mas que não havia nada que justificasse um processo judicial".

Questionado se havia ficado incomodado com o momento do anúncio do FBI, às vésperas das eleições americanas, o presidente afirmou ter feito um "esforço muito deliberado para garantir que não pareça que eu estou interferindo em processos que supostamente devem ser independentes".

Para o líder americano, Hillary cometeu um "erro honesto" ao usar um servidor privado de e-mails, mas, segundo ele, esse erro acabou sendo superdimensionado, "como se fosse uma coisa maluca".

Obama ainda reiterou seu apoio à candidata democrata, classificando-a de "alguém que sempre colocou o povo americano em primeiro lugar". "Eu confio nela, eu a conheço. E eu não estaria apoiando sua candidatura se eu não tivesse absoluta confiança na integridade dela e no interesse dela em garantir que os jovens tenham um futuro melhor", afirmou o atual presidente.

A revelação das novas investigações do FBI chegou a derrubar a vantagem de Hillary em pesquisas de intenção de voto. Uma sondagem de opinião nacional divulgada nesta terça-feira, realizada pelo The Washington Post e a emissora ABC News entre 27 e 30 de outubro, aponta que o candidato republicano Donald Trump tem 46% das intenções de voto, contra 45% da democrata.

EK/dpa/lusa/rtr/ots

Leia mais