1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Fatwa de imãs britânicos reforça luta contra "Estado Islâmico"

Líderes muçulmanos emitem sentença religiosa contra os jihadistas que lutam na Síria e no Iraque. Especialistas e signatários esperam que ela possa influenciar simpatizantes e ajudar a deter os terroristas.

default

Combatentes do "Estado Islâmico" desfilam na cidade de Raqqa, na Síria

Os imãs britânicos não podiam ter sido mais claros em sua fatwa contra a milícia terrorista "Estado Islâmico" (EI). "O EI é uma organização extremista herética, e é religiosamente proibido (haram) apoiá-la ou unir-se a ela. Além disso, é obrigação para os muçulmanos britânicos opor-se ativamente a essa ideologia venenosa, especialmente quando ela for promovida no Reino Unido."

A fatwa, sentença religiosa islâmica, foi assinada por seis líderes religiosos muçulmanos britânicos: os imãs supremos das duas mesquitas centrais de Leicester e Manchester, o imã supremo da mesquita de Makkah em Leeds, o codiretor da Associação dos Muçulmanos Britânicos, o fundador do Conselho Islâmico do Reino Unido, assim como Usama Hasan, o autor da fatwa e diretor para questões teológicas da Fundação Quilliam, think tankespecializado em extremismo religioso muçulmano.

Acusações graves

O texto afirma que o EI assassinou jornalistas, civis e imãs que se rejeitaram a apoiar a organização e que escraviza esposas e filhos de seus adversários, violando a Convenção de Genebra e as convenções contra a escravidão.

Irak Flüchtlinge

Membros da minoria yazidi, do norte do Iraque, deixaram suas casas, fugindo ao terror do EI

"A perseguição e os massacres de muçulmanos xiitas, cristãos e yazidis são abomináveis e contrários aos ensinamentos islâmicos e à tolerância islâmica apresentada por grandes impérios, como o mongol e o otomano", prossegue o documento.

A condenação dos muçulmanos britânicos não é a primeira de seu tipo. Poucas semanas atrás, teólogos da Universidade Al-Azhar, do Cairo, emitiram uma fatwa contra o EI, da mesma forma que, antes, teólogos da Arábia Saudita, no final de julho.

Possível impacto da fatwa

"O parecer jurídico islâmico do Reino Unido pode influir de diversas formas", opina Stephan Rosiny, especialista em Oriente Médio do Instituto Alemão para Estudos Globais e Regionais (Giga), de Hamburgo.

Ele antecipa que os combatentes e simpatizantes do "Estado Islâmico" certamente não vão se deixar impressionar pela fatwa. "Porque, na opinião deles, todos os muçulmanos que não reconhecem o califa do 'Estado islâmico' são infiéis. Por isso, não consideram os imãs que emitiram essa fatwa como autoridades legítimas."

Já outros muçulmanos, mesmo simpatizando politicamente com o EI, podem ser bastante receptivos à fatwa. Uma discussão teológica pode vir a minar a credibilidade do grupo extremista a médio prazo. "No fim das contas, o EI só pode ser ideologicamente desencantado a partir da comunidade sunita, por líderes religiosos sunitas. Deve-se retirar sua legitimidade religiosa questionando, por exemplo, os critérios para a declaração de seu 'califado' e refutando a justificação religiosa para o terrorismo no Iraque e na Síria ", sugere Rosiny.

"Ideologia de inspiração religiosa"

Osama Hasan

Usama Hasan, autor da fatwa contra o "Estado Islâmico"

Também Usama Hasan, o autor da fatwa, acredita que o texto possa dar algum resultado – pelo menos entre aqueles que se orientam pelas autoridades sunitas tradicionais. No entanto, como disse numa entrevista anterior à DW, na Síria e no Iraque também está lutando gente que persegue outros objetivos, cujo interesse, acima de tudo, é chegar ao poder.

"Por isso, é muito útil para eles se unirem também a combatentes motivados pela religião, que realmente acreditam na religião. Eles se juntam a eles, mesmo sem serem realmente crentes. Nesse momento, a religião se mistura com a política e se torna uma mera luta pelo poder."

Hasan acredita que, neste contexto, considerações religiosas desempenham um papel secundário. Elas servem essencialmente como pretexto para chegar a outros objetivos. "É uma ideologia inspirada pela religião. Pode-se defini-la como um islã político levado ao extremo, que justifica a violência para estabelecer um Estado islâmico."

Irak - ISIS beschlagnahmt Kirchen in Mossul

Igreja cristã ocupada pelos jihadistas em Mossul, norte do Iraque

Stephan Rosiny concorda. Ele acredita que o EI tem construído seu domínio sobre um arcabouço pseudorreligioso, criado a partir de fragmentos islâmicos arcaicos. "Isso inclui a proclamação do 'Segundo Califado Rashidun', que tenta, assim, dar continuidade aos quatro primeiros califas 'bem guiados' de 632 a 661. O primeiro sermão de sexta-feira do califa Ibrahim foi salpicado com símbolos religiosos dos primórdios do islã, com os quais se tenta despertar a aparência de autenticidade religiosa."

Essas emoções religiosas se reforçariam e confirmariam até certo ponto, na opinião do especialista, quando são associadas a sucessos militares como os obtidos até agora pelo "Estado islâmico". É como se os resultados fossem a prova de que eles agem a serviço de Deus.

Para derrotar o "Estado Islâmico" são necessárias duas coisas, aponta Rosiny: "Por um lado, força militar que interrompa e quebre essa cronologia de sucessos; e, por outro lado, autoridades teológicas que coloquem em questão a legitimidade religiosa." Só então a euforia religiosa dos jihadistas e o contínuo alistamento de novos combatentes poderão ser sustados.

Leia mais