1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Fast food favorito dos alemães ganha espaço nos EUA

Muito popular na Alemanha, o döner kebab tem suas origens na culinária turca. Uma versão adaptada ao gosto local começa a ganhar espaço em diversas cidades norte-americanas.

Numa rodovia movimentada nos arredores da cidade de Atlanta, nos Estados Unidos, uma lanchonete está fazendo sucesso vendendo o fast food mais popular da Alemanha: o döner kebab, um suculento sanduíche de carne e salada, conhecido no Brasil também como pita.

Com dois anos de existência, a lanchonete lembra uma pizzaria ou uma loja de sanduíches ao estilo da Subway: as máquinas de refrigerante e os grandes copos de plástico estão enfileirados diante de uma parede, e o sol entra pelos janelões frontais amplos, que vão do chão até o teto.

Só que, dentro dela, o cheiro dominante não é de pão assado, mas de carne no espeto, similar ao que se pode encontrar nos quiosques de kebab de Berlim. Dois enormes espetos – um de carne de frango e o outro de carneiro e gado – giram lentamente atrás do balcão.

A lanchonete Frankfurter Döner representa uma modesta, porém crescente tendência de lojas de döner kebab pelos Estados Unidos. De Seattle a Dallas, pequenos comerciantes – muitos deles imigrantes vindos da Alemanha – estão servindo aos clientes norte-americanos esse ícone da culinária alemã de origem turca.

Deutschland Imbiss Fastfood Döner

O típico döner kebab servido em qualquer cidade alemã

Receita de sucesso

Depois de cortar algumas iscas de carne do espeto giratório, uma funcionária demonstra como se prepara o sanduíche. Primeiro ela coloca as iscas de carne dentro do pão. Depois adiciona salada picada (repolho branco e roxo, tomates, pepino, cebola e queijo feta). Finalmente tempera com um pouco de tzatziki – um molho grego de iogurte, alho, pepino e azeite –, alho ou gergelim.

Enquanto a funcionária embrulha os sanduíches numa folha de alumínio, um cliente turco diz que o döner pode até ser uma criação alemã, mas que a receita tem origem na Turquia. Ele diz ter percebido um aumento no número de lanchonetes de döner nos Estados Unidos e que descobriu por acaso o estabelecimento de Atlanta.

"Nós estávamos passando de carro por aqui quando vimos a placa do döner e pensamos: 'Vamos experimentar'", conta. "A carne não é como na Turquia, mas o gosto chega muito perto. É muito bom."

Adaptações ao gosto local

A maior diferença entre um kebab comprado numa rua de Berlim e a versão da Frankfurter Döner é mesmo a carne. E isso não é por acaso: o proprietário da lanchonete, Karsten Werner, conta que teve de alterar a receita e o método de preparo para adaptar o sanduíche ao paladar norte-americano.

"A versão com carne de galinha é exatamente como na Alemanha", diz Werner, "mas a versão de carne de carneiro e boi é um pouco diferente. Basicamente nós cozinhamos a carne antes de colocá-la no espeto". Segundo ele, os norte-americanos preferem a carne pré-cozida por razões de segurança alimentar. O espeto é essencialmente um elemento decorativo usado para manter a carne quente antes de ela ser frita. A outra diferença é o pão.

"O pão que eu uso é o pão persa", explica Werner. "Eu comecei usando o pão de pita, mas troquei depois que os clientes disseram gostar mais do sabor do outro." O irmão de Werner, um açougueiro que trabalha próximo à lanchonete, prepara a carne. E nos períodos de aula da universidade local, a Kennesaw State, Werner leva uma lanchonete móvel ao campus universitário.

Döner in den USA

O "döner sobre rodas" circula pela região de Cope Coral, na Flórida

Döner sobre rodas

A ideia da lanchonete móvel também faz sucesso centenas de quilômetros ao sul, em Fort Myers, na Flórida. Lá, um outro alemão de Frankfurt, Karl Rosa, oferece um menu similar ao de Werner, mas exclusivamente sobre rodas. O King Karl Truck (caminhão do rei Karl) faz paradas em três lugares da região de Cope Coral durante os dias úteis.

Após morar por cerca de sete anos nos Estados Unidos, Rosa entrou no negócio da venda de kebabs no último verão norte-americano. Como Werner – que mora na Geórgia – ele percebeu que existe um público cativo para o döner alemão, tais como soldados que viveram na Alemanha, imigrantes turcos e alemães. E também ele reconheceu a necessidade de ajustar a sua receita ao gosto local.

"Norte-americanos gostam de carne mais apimentada", diz Rosa. "Nós marinamos a nossa própria carne e usamos mais condimentos do que na Alemanha."

E há, ainda, a questão do pão. Depois de testar vários tipos de pães, Rosa afirmou que decidiu contratar um padeiro alemão vivendo na Flórida para fazer os típicos pães de döner.

Como pizza e tacos para os americanos

Döner in den USA

Geralmente os espetos são cobertos com carne de carneiro ou de frango

A cidade "rainha dos döners" nos Estados Unidos é Austin, no Texas. Lá os empresários alemães Dominik Stein e Michael Heyne fundaram a rede Verts quando ainda eram estudantes na Universidade do Texas. Eles abriram a primeira loja em 2009. Desde então, o número subiu para cinco.

Os dois jovens até mesmo fizeram história. Em 2011, eles transformaram um carro do modelo Smart na menor lanchonete motorizada do mundo e mereceram um registro no livro dos recordes Guinness.

E não há somente alemães servindo döners para o público norte-americano. Depois de morar em Berlim e se casar com uma alemã, o norte-americano Victor Twu fundou em 2011 a loja The Berliner Döner Kebab, em Seattle.

Twu passou a vender döner kebab como forma de reinventar duas antigas unidades de uma franquia de sanduíches. A ideia do döner decolou, mesmo que ele ainda tenha dificuldades em explicar aos fregueses a conexão entre a Turquia e o sanduíche inventado na Alemanha.

Ele conta que faz comparações com a história dos Estados Unidos. "A pizza, por exemplo, já foi uma comida étnica, mas agora é considerada um produto americano. A comida mexicana tem uma história parecida. Os tacos estão para os americanos como os döners para os alemães. Por isso nosso restaurante é chamado de The Berliner."

Autor: Michael Scaturro (fc)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais