1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Famílias coreanas separadas pela guerra se reencontram

Depois de mais de seis décadas separados, 250 sul-coreanos reencontram parentes na Coreia do Norte. Visita foi negociada pelas duas Coreias em agosto. Esse é o segundo reencontro familiar dos últimos cinco anos.

Um grupo de 250 sul-coreanos viajou para a Coreia do Norte neste sábado (24/10) para se encontrar com 190 parentes que não veem há mais de seis décadas. Esse é o segundo encontro familiar organizado nos últimos cinco anos e faz parte de um acordo firmado em agosto entre as duas Coreias para atenuar as tensões entre os países.

O segundo grupo se reuniu dois dias depois do fim do

primeiro encontro

, do qual participaram 390 sul-coreanos e 180 norte-coreanos. Os parentes do sul levaram vários presentes, como roupas, relógios, medicamentos, comida e dólares em espécie.

Entre os participantes do reencontro estava Jung Gun-Mok, de 64 anos, que estava a bordo de um barco sul-coreano sequestrado pela Coreia do Norte em 1972, e sua mãe, de 88 anos, que não o via desde a década de 1970.

Jung é um dos 500 sul-coreanos sequestrados pela Coreia do Norte depois do fim da Guerra da Coreia (1950-1953), que consolidou a divisão da península. Embora negue os sequestros, o país ao norte permitiu que alguns dos indivíduos apontados pelo vizinho do sul como sequestrados participassem dos encontros familiares.

Koo Sang-Yeon, de 98 anos, era o sul-coreano mais velho presente. Ele encontrou duas filhas norte-coreanas. Koo, que era soldado e durante a guerra foi capturado pela Coreia do Sul, decidiu continuar no país depois de deixar a prisão.

Os encontros familiares são rigorosamente controlados e limitados a seis reuniões de duas horas em um salão. Atualmente, mais de 65 mil sul-coreanos estão na lista de espera para participar desses reencontros.

Loteria

A Coreia do Sul usa um sistema de loteria computadorizado para sortear cidadãos para os reencontros. Já a Coreia do Norte seleciona os participantes devido à lealdade ao líder do país autoritário. Cerca de 18,8 mil coreanos participaram dos 19 encontros realizados, desde o início do programa.

As reuniões são resultado da cúpula das Coreias, realizada em 2000, e se esperava que acontecessem anualmente, mas o evento de outubro é apenas o segundo em cinco anos. A Coreia do Norte tem frequentemente cancelado os encontros na última hora.

CN/afp/lusa/ap

Leia mais