1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Família retoma as rédeas na Bertelsmann

Reinhard Mohn quer mudanças na maior empresa européia de mídia. Patriarca semeou inquietação ao manifestar que a família assumirá maior influência no grupo e acusar ex-executivos da empresa em seu último livro.

default

Liz Mohn, considerada liderança velada na empresa

Liz Mohn (61), a esposa do patriarca, já é considerada há alguns anos a liderança velada na quinta maior empresa de mídia no mundo. Em julho do ano passado, ela havia assumido o importante cargo de diretora-presidente da sociedade mantenedora.

Reinhard e Liz Mohn e seus filhos Brigitte e Christoph integram a diretoria desta sociedade, que ao todo tem oito membros. Estão garantidos para a família, desta maneira, 75% dos votos necessários para a tomada de decisões na presidência da holding.

Segundo as más línguas, ela teria sido a principal responsável pela demissão do diretor-presidente da empresa, Thomas Middelhoff, em meados do ano passado. O chairman e principal executivo da Bertelsmann teria saído por divergências na forma de conduzir a gigante do entretenimento no futuro.

Embora nada tenha mudado recentemente no perfil administrativo da empresa, o papel de Liz Mohn na direção ganhou mais importância após Reinhard Mohn, presidente honorário, ter manifestado, na semana passada, o desejo de que a esposa "tenha maior influência nos rumos da empresa".

O anúncio foi feito paralelamente ao lançamento de seu livro Die gesellschaftliche Verantwortung des Unternehmers (A responsabilidade social do empresário). Na obra, ele manifesta a esperança de uma contribuição da família para garantir a continuidade da liderança da Bertelsmann.

Mudança radical na administração?

Reinhard Mohn

Reinhard Mohn

Estava lançada a semente da inquietação entre acionistas, funcionários e a concorrência. Estaria a Bertelsmann retornando à administração familiar? Foi abandonada a intenção de lançar ações na bolsa de valores, preparada por tantos anos? "Isso não passa de um mal-entendido", escreveu o diretor-presidente Gunter Thielen aos 80 mil funcionários do conglomerado com representação em 51 países.

O próprio Reinhard Mohn teria assegurado a independência e liberdade das lideranças da empresa tomarem decisões. Um pouco menos diplomático foi o chefe do Conselho Administrativo. "O risco de serem tomadas decisões erradas não diminuirá se a família ganhar o peso decisório ambicionado por Mohn", ressalta Gerd Schulte-Hillen.

O conglomerado é a principal obra na vida de Reinhard Mohn, que sempre defendeu a descentralização do poder, a participação dos funcionários nos lucros da empresa, a motivação dos trabalhadores e o engajamento social da empresa.

Em 1835, Carl Bertelsmann havia criado a sua primeira tipografia em Gütersloh, na Renânia do Norte-Vestfália, não imaginando que um século e meio depois os descendentes dirigiriam um grupo mundial que controla prestigiadas editoras como a Random House, a Gruner + Jahr e a Springer Verlag, dois grupos de mídia: o RTL - maior televisão européia - e a Pearson TV, e muito mais.

Hoje, é responsável por mais de cem títulos em 14 países, sendo 11 jornais (em quatro países) e 14 revistas (em seis países), com destaque para as especializadas em temas econômicos ou de interesse feminino.

O setor mais importante do grupo é o de publicação de livros, graças a uma estrutura que conta com dezenas de gráficas e editoras espalhadas pela Europa, Estados Unidos e América do Sul.

Cercado por vaidosos e ambiciosos

Bertelsmann Zentrale

A Bertelsmann em Güterloh

Em 1947, Reinhard Mohn recebeu do pai a liderança da empresa, bastante destruída na Segunda Guerra Mundial. Três anos mais tarde, fundou um clube do livro e começou a diversificar as atividades. Ampliou a rede de gráficas, ingressou no mercado de discos, comprou a editora de revistas Gruner + Jahr e ampliou sua liderança no mercado de emissoras privadas de televisão.

Ao mesmo tempo, expandiu-se no mundo, principalmente na Europa e na América do Norte. Suas empresas das mais diversas áreas da mídia levaram a um faturamento de 20 bilhões de euros no ano fiscal de 2000/2001.

Só o Grupo RTL foi responsável por 20% disto. Distribuído por região, os negócios da Bertelsmann nos Estados Unidos renderam 32,25 do faturamento da empresa; na Alemanha, 30,6%; na Europa (sem a Alemanha), 31,5%; e em outros países, 5,7%.

Reinhard Mohn causou grande irritação ao justificar por que só confia na família para a defesa dos interesses da empresa e criticar antigas lideranças do conglomerado.

As empresas do grupo: RTL Television (Colônia, Alemanha), RTL Radio (Paris), FremantleMedia (Londres), SportFive (Paris, 39,5%), Gruner + Jahr (Hamburgo, 74,9%), Prisma Presse (Paris, 74,9%), Gruner + Jahr USA (Nova York, 74,9%), Brown Printing (Waseca, 74,9%), BMG Music (Nova York), BMG Ariola (Munique), BMG Japan (Tóquio), Random House, Inc. (Nova York), Random House Group (Londres), Grupo Editorial Random House (Munique), Random House Mondadori (Barcelona, 50%), Editora Springer (Berlim/Heidelberg, 86,5%), MOHN Media (Gütersloh), maul-belser (Nurembergue, 75%), arvato logistics services (Gütersloh), arvato direct services (Gütersloh), Sonopress (Gütersloh), Der Club (Rheda), Bookspan (Nova York, 50%), France Loisirs (Paris), Círculo de Lectores (Barcelona).

Links externos