1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Família de jovem detido por engenhoca nos EUA pede indenização

Advogados pedem 15 milhões de dólares a escola e município, alegando que Ahmed Mohamed sofreu discriminação racial e religiosa. Jovem foi detido e interrogado após ter relógio fabricado por ele confundido com uma bomba.

A família de

Ahmed Mohamed

, de 14 anos, pediu indenizações no valor de 15 milhões de dólares à antiga escola do adolescente e à cidade de Irving, no Texas. Devido a um aparente mal-entendido, o jovem foi detido por ter construído um relógio confundido com uma bomba.

Em cartas enviadas à escola e ao município nesta segunda-feira (23/11), os advogados que representam a família alegaram que o adolescente foi preso injustamente, detido ilegalmente e interrogado sem a presença dos pais.

"Ahmed foi claramente discriminado devido a sua etnia, origem nacional e religião", afirmou a advogada Kelly Hollingsworth. A família do adolescente pediu à escola uma indenização de 10 milhões de dólares e à cidade, de 5 milhões, e deu um prazo de 60 dias para ambos se manifestarem, caso contrário, abrirá um processo judicial.

Em setembro, após construir um relógio e levá-lo para mostrar aos professores, Ahmed foi retirado da sala de aula algemado e interrogado por policiais, que colheram suas impressões digitais e o mantiveram na delegacia por várias horas. A polícia disse acreditar que a engenhoca poderia ser uma bomba.

Após o incidente, o presidente Barack Obama convidou o jovem, filho de imigrantes da Somália, para participar da noite de astronomia na Casa Branca, que contaria com a presença de astronautas da NASA e de outros jovens cientistas. O convite de Obama foi percebido, na época, como uma clara reprovação às atitudes da escola e dos policiais de Irving.

O caso gerou um debate sobre islamofobia entre funcionários públicos. Os advogados acusam a escola, a polícia e autoridades municipais de violarem direitos civis ao acusar injustamente o adolescente.

A escola afirmou que seus advogados estão analisando o pedido de indenização feito pela família de Ahmed. A prefeitura não quis se manifestar sobre o assunto.

Atualmente, Ahmed vive no Catar, para onde se mudou com a família em outubro, após receber uma bolsa de estudos da Fundação Catar que incentiva jovens inovadores.

CN/afp/rtr

Leia mais