Fachin nega pedido de Temer para adiar depoimento | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 01.06.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Fachin nega pedido de Temer para adiar depoimento

Defesa queria que presidente fosse questionado somente após perícia de gravação de Joesley Batista. Ministro do STF mantém interrogatório e libera PF para fazer perguntas sobre áudio. Temer tem direito de ficar calado.

Michel Temer (Getty Images/AFP/E. Sa)

Interrogatório de Temer foi autorizado por Fachin nesta terça-feira

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta quarta-feira (31/05) o pedido da defesa de Michel Temer para adiar o depoimento do presidente à Polícia Federal (PF).

Fachin também autorizou a PF a fazer perguntas sobre a gravação feita pelo empresário Joesley Batista, da JBS, durante uma conversa com o peemedebista. No entanto, o ministro afirmou que Temer tem o direito de ficar em silêncio diante das questões que não quiser responder.

"Ainda que não haja nos autos laudo pericial oficial atestando a higidez da gravação apresentada, poderá o requerente (...) recusar-se a responder eventuais indagações que digam respeito ao diálogo em comento, sem que isso possa ser interpretado como responsabilidade penal", diz a decisão.

O ministro do Supremo acrescentou que uma eventual opção do presidente em ficar em silêncio não pode ser usada contra ele no processo. "Reconheço ao requerente o direito, se assim desejar, de não responder quaisquer das perguntas que lhe forem formuladas, sendo que essa opção não poderá ser interpretada contrariamente aos seus interesses", afirma Fachin.

Horas antes nesta quarta-feira, a defesa de Temer pediu para que o interrogatório do presidente fosse feito apenas depois de concluída a perícia sobre a gravação de Joesley Batista. Caso contrário, os advogados pediam que, pelo menos, Fachin orientasse a PF a não fazer perguntas sobre o áudio.

A gravação revela uma conversa entre Temer e o executivo no Palácio do Jaburu em março passado. No diálogo, são discutidos possíveis crimes de corrupção por parte de agentes públicos. Após suspeitas de que a gravação tenha sido editada, Fachin determinou que a PF fizesse uma perícia técnica no áudio e no gravador usado por Batista. Não há prazo para que ela seja concluída.

Nesta terça-feira, o ministro do STF autorizou a PF a interrogar Temer no âmbito do inquérito baseado nas delações da JBS. O depoimento será prestado por escrito, ratificando um pedido feito pela defesa na semana passada no caso de um eventual interrogatório. Após a entrega das perguntas, ainda sem data definida, o presidente terá 24 horas para enviar suas respostas.

O interrogatório de Temer havia sido solicitado pela Procuradoria Geral da República com intuito de esclarecer a conversa mantida entre o presidente e Joesley Batista.

A investigação contra o peemedebista, autorizada pelo próprio Fachin em 18 de maio, apura se, nesse diálogo, Temer deu aval ao empresário para o pagamento de propina ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso desde outubro no âmbito da Operação Lava Jato.

EK/abr/ots

Leia mais