Facebook oferece chamadas de vídeo em parceria com o Skype | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 07.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Facebook oferece chamadas de vídeo em parceria com o Skype

Nova ferramenta é uma resposta ao Google+, que possui uma função semelhante, e esquenta a disputa pelos usuários de redes sociais.

default

Planos de incluir o Skype no Facebook seriam antigos

A partir desta quarta-feira (07/07), a rede social Facebook começou a oferecer a opção de fazer chamadas de vídeo gratuitas por meio de uma integração com o Skype. A novidade é uma resposta da empresa de Mark Zuckerberg ao badalado lançamento do Google+, a nova rede social do maior rival do Facebook, na semana passada.

"Achamos que isso é fantástico, pois estamos usando a melhor tecnologia disponível para oferecer chat com vídeo na melhor infraestrutura disponível", disse Zuckerberg ao noticiar a nova ferramenta.

A nova ferramenta oferece um chat de texto mais avançado, que permite bate-papo entre várias pessoas ao mesmo tempo, e com um ícone de uma câmera, que pode ser clicado quando duas pessoas quiserem conversar por meio de vídeo. Segundo a empresa, a opção estará disponível para todos os usuários do Facebook nas próximas semanas.

Ao anunciar a nova ferramenta na sede do Facebook, na Califórnia, Zuckerberg afirmou não descartar a hipótese de, no futuro, chats com vídeos também serem possíveis entre grupos maiores. Mas ressaltou que a maioria dessas conversas acaba mesmo acontecendo entre duas pessoas.

Lançado pela gigante de buscas na internet, o Google+ também oferece uma ferramenta de chamadas de vídeos para grupos chamada "Hangout", que se tornou popular entre os novos usuários. Ainda em fase de testes, o Google+ permite que os usuários separem amigos e familiares em diferentes grupos, ou redes, e dessa forma compartilhem informações apenas com membros de um determinado círculo social.

Uma das críticas ao Facebook é justamente o fato de que atualizações e posts são compartilhados com todos os amigos, a menos que o usuário selecione, em um processo relativamente complicado, a quem ele destina determinada publicação.

Google e Facebook travam uma batalha feroz para ser a principal porta de entrada na internet e, assim, atrair mais recursos do abastado mercado da publicidade online.

Crescimento é tendência

Zuckerberg afirmou que os planos de incluir o Skype no Facebook começaram antes mesmo de a Microsoft anunciar, em maio passado, a compra por 8,5 bilhões de dólares do programa de voz e vídeo líder na rede.

O cofundador do Facebook considera que a rede social vive um intenso processo de desenvolvimento que não deve ser freado, e que o foco agora é oferecer diversão e programas funcionais na plataforma.

À medida em que o número de usuários cresce – atualmente já são 750 milhões, disse Zuckerberg – o volume de atualizações e postagens de fotos, vídeos e outros conteúdos atinge níveis estratosféricos: chega a quatro bilhões por dia.

Empenhado em construir seus próprios programas para aprimorar a rede social, o Facebook mostra-se agora aberto para trabalhar com empresários e parceiros, como o Skype.

Relações com a Microsoft

O analista Sean Corcoran, da Ferrester Research, diz que a parceria com o Skype é mais um passo para o Facebook firmar sua posição como uma plataforma central de comunicação na internet. "Isso vai também acelerar o uso de uma forma futura de comunicação com vídeo, ao introduzi-la para centenas de milhares de pessoas", disse Corcoran.

O chefe executivo do Skype, Tony Bates, disse que ele e o chefe-executivo da Microsoft, Steve Ballmer, visitaram Zuckerberg após anunciar os planos de aquisição. "Temos uma boa relação com a Microsoft", disse Zuckerberg.

Apesar de dominar o mercado de busca na internet, a Google não conseguiu emplacar suas últimas investidas, com o fracasso de ferramentas como Mountain View. O Google+, no entanto, já é visto como uma jogada mais pesada na briga por espaço no mercado das redes sociais.

MS/afp/dpa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais