1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Fabricante de armas processa Berlim por licença de exportação, diz jornal

Segundo jornal "Süddeutsche Zeitung", Heckler & Koch entra com ação judicial contra governo alemão. Este não teria autorizado o envio à Arábia Saudita de peças necessárias para produzir o fuzil G36.

O fabricante alemão de armas Heckler & Koch está processando o governo alemão por este não ter dado a aprovação para exportar à Arábia Saudita peças necessárias para produzir o fuzil G36, informou o jornal alemão Süddeutsche Zeitung, nesta quinta-feira (29/10).

Citando fontes do governo, o diário afirmou que o fabricante de armas entrou com uma ação no Tribunal Administrativa de Frankfurt contra o Departamento Federal de Controle Econômico e de Exportações (Bafa, sigla em alemão).

A queixa vem depois de o governo federal ter suspendido, em meados do ano passado, a autorização da exportação de cinco componentes básicos necessários para construir uma arma, segundo o Süddeutsche Zeitung. Ainda citando fontes do governo, a matéria afirma que Heckler & Koch estão buscando um ressarcimento de dezenas de milhões de euros.

De acordo com a legislação alemã, uma empresa pode processar autoridades federais quando um requerimento "não foi resolvido ou, sem motivo explícito, a decisão não foi tomada dentro de um tempo objetivamente razoável".

O ministro da Economia da Alemanha, Sigmar Gabriel, tem recebido críticas, pois as exportações de armas de pequeno porte para países não membros da União Europeia (UE) e não membros da Otan triplicaram durante seu mandato.

Em 2008, o governo da chanceler federal alemã, Angela Merkel, aprovou o controverso, mas lucrativo negócio de licenciamento para Heckler & Koch, que permitiu o fabricante construir uma planta de produção do fuzil G36 nos arredores da capital saudita Riad.

Em fevereiro, a Alemanha voltou a autorizar algumas exportações de armas para Arábia Saudita, Kuwait e Egito – países que têm sido criticados por serem violadores dos direitos humanos. Na semana passada, Berlim foi forçada a defender sua decisão de permitir a exportação de tanques e artilharia ao Catar, país que enviou tropas para combater no Iêmen.

PV/rtr/dw

Leia mais