1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Faísca alemã no fogo brasileiro

Mais tradicional grupo do Carnaval de Colônia desfila em Salvador, dá show no Rio ao lado da escola de samba do Salgueiro e fica encantado com o Brasil. Viagem do Rote Funken pode render intercâmbio carnavalesco.

default

Rote Funken atravessou ruas do Pelourinho

Vestidos de soldados, como manda o figurino desde sua fundação há 180 anos, 70 integrantes dos Rote Funken (Faíscas Vermelhas) desembarcaram no Brasil para mostrar como se brinca carnaval em Colônia. Em apresentações em Salvador e no Rio, com apoio do Instituto Goethe e dos governos locais, conquistaram muitos aplausos, mas terminaram sobretudo conquistados.

"Foi uma experiência fantástica, da qual jamais esqueceremos. O país é impressionante e diversificado. Tem um povo alegre, cordial e aberto, do fundo de sua alma. Nós, europeus, temos muito que aprender desta mentalidade e deste prazer de viver. Em nenhum momento há monotonia. Este país merece se desenvolver", derramou-se em elogios Heinz Günther Hunold, presidente dos Rote Funken, em conversa com a DW-WORLD.

Desfile no Pelourinho

Em Salvador, a tropa vermelho-branca desfilou pelas ruas do Pelourinho no dia 16, acompanhada pela banda de Fred Dantas e por alunos da escola de música da Universidade Federal da Bahia. A regência ficou a cargo do maestro alemão Horst Schwebel, radicado na capital baiana há mais de 40 anos.

Dentro de sua tradição, os carnavalescos alemães distribuíram balas, chocolates e amostras da água de Colônia original. "Nunca vi nada parecido. Eles parecem o Filhos de Gandhi alemão", surpreendeu-se a vendedora ambulante Maria de Jesus dos Santos, comparando o grupo com um dos afoxés mais famosos da Bahia.

Sátira ao militarismo

Fundado como sociedade carnavalesca em 1823, mesmo ano da oficialização do Carnaval de Colônia, o Rote Funken é um dos grupos da cidade renana criados para parodiar o militarismo – em especial o prussiano. Daí uniformes como figurino e marchas como música e coreografia. "Parece quartel. Todo mundo de soldado e marchando certinho", avaliou Gilberto Silva, diretor de harmonia da escola de samba do Salgueiro, que encerrou o show alemão na Sociedade Germânia, no Rio, no dia 24.

Rote Funken in Brasilien

A apresentação do casal Funkmariechen e Tanzoffizier mistura dança e ginástica acrobática

De fato, devido aos uniformes, ao ritmo musical e a marcha em fileiras, os elementos da sátira dos Rote Funken correm sempre o risco de passar despercebidos. Entre eles, armas enfeitadas com flores e penduradas no ombro de cabeça para baixo, marcha relaxada, coreografias coletivas debochadas (como o irreverente passo bumbum com bumbum) e do casal de balizas ( Funkmariechen e Tanzoffizier, o equivalente à porta-bandeira e mestre-sala das escolas de samba).

Coração coloniano bate agora pelo Rio

Consultor de impostos, o presidente do Rote Funken ficou maravilhado com tudo o que viu na "festa extasiante" na Sociedade Germânia, desde a "esplendorosa decoração" em vermelho e branco (cores tanto do grupo alemão quanto do Salgueiro) à "apresentação de tirar o fôlego" dos sambistas brasileiros, passando pelo "entusiasmo" do público. Hunold disse ter sentido "erotismo" nas mulheres brasileiras ao receberem os tradicionais e ingênuos beijinhos de seus soldados.

Perguntado por DW-WORLD se trocaria a folia de Colônia pela brasileira, o carnavalesco alemão surpreendeu: "Do ponto de vista emocional, evidente que sim." Uma resposta que soa a confissão de pecado diante da tradicional paixão (e fidelidade) dos colonianos por seu carnaval. Entretanto, Hunold ressalta que a troca não é possível devido a seus compromissos como presidente dos Rote Funken, entre outros.

Intercâmbio carnavalesco

Mesmo assim, o novo sonho do alemão pode vir a se tornar realidade. Em conversa com o prefeito do Rio, César Maia, o grupo renano foi convidado a apresentar-se no Sambódromo no Carnaval de 2005, no desfile das escolas de samba campeãs. Hunold preocupa-se entretanto com o figurino. "Nossos uniformes são muito grossos, em comparação com as invejáveis fantasias dos brasileiros", diz ele, pensando no calor.

Por outro lado, discutiu-se várias propostas para levar uma amostra da folia carioca a Colônia. Enquanto ainda não se sabe como viabilizar legítimos representantes cariocas na capital do carnaval alemão, os Rote Funken já têm algo para antecipar. Hunold e sua tropa retornou à Alemanha com fantasias de índios na bagagem, compradas em Manaus, onde também estiveram a passeio.

Leia mais