1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Fórum Social Mundial começa com segurança reforçada em Túnis

Tradicional marcha de abertura passará em frente ao Museu do Bardo, onde ataque a tiros matou 21 pessoas há poucos dias. Organizadores dizem que realizar encontro é a melhor resposta ao terrorismo.

A abertura oficial do Fórum Social Mundial (FSM) nesta terça-feira (24/03), em Túnis, inclui uma marcha que passará em frente ao Museu Nacional do Bardo, onde na semana passada um atentado terrorista deixou 21 mortos, a maioria turistas estrangeiros. Apesar do clima de relativa tensão na capital tunisiana, o evento será realizado conforme o previsto.

Com o ataque, os terroristas quiseram "prejudicar a transição para a democracia e espalhar o medo entre os cidadãos que lutam por liberdade e democracia e que querem construir pacificamente uma democracia", afirmou um primeiro comunicado dos organizadores do FSM após o incidente. "Todas as delegações, da América Latina, da África, da Europa ou do Oriente Médio, disseram que o Fórum deve ser realizado e que essa é a resposta certa ao terrorismo", sublinhou o tunisiano Moheddine Cherbib, um dos organizadores.

Vorbericht WSF

Cherbib: "Podemos garantir a segurança dos participantes"

Mais de quatro mil organizações não governamentais anunciaram participação. Os organizadores esperam dezenas de milhares de críticos da globalização, vindos de todo o mundo. Eles discutirão, ao longo da semana, no campus da Universidade de Túnis, temas como migração, meio ambiente, direitos humanos e economia.

Segurança máxima

Em 2013, o Fórum Social Mundial, criado como uma contraponto ao Fórum Econômico Mundial de Davos, já havia sido realizado em Túnis. Mas, em 2015, a questão da segurança somou-se ao esforço logístico que normalmente envolve o evento. "Estamos bem preparados", disse Cherbib. "Estamos em contato direto com as autoridades tunisianas para garantir a máxima segurança aos participantes", assegurou.

"No próprio campus não haverá presença policial, mas o aeroporto, o acesso ao campus e toda a capital terão controles reforçados", afirmou, sem mencionar números exatos. Ele acrescentou não acreditar que participantes deixarão de comparecer devido ao atentado. "Contra o terrorismo, nós temos que trabalhar de mãos dadas."

"Realizar o Fórum de 2015 na Tunísia foi uma decisão consciente", disse o economista francês Gustavo Massiah, um dos organizadores. "Na Tunísia é que começou, em 2011, o levante popular contra a crise do neoliberalismo, contra a crise do sistema geopolítico, econômico, cultural e ideológico global", ressaltou, observando que as transformações políticas na Tunísia deram início a uma série de levantes, não só no mundo árabe, mas também em outras regiões, e serviram de modelo para a sociedade civil em todo mundo. "A Tunísia foi a faísca inicial", destacou.

Segundo Massiah, mais de 20 mil organizações não governamentais foram criadas no país desde 14 de janeiro de 2011, data da queda do ex-ditador Zine El Abidine Ben Ali, em cujo regime o direito de organização era severamente restrito. "Devemos agradecer à sociedade civil tunisiana por não encontrarmos aqui a mesma situação que no resto da região", disse Massiah. "Por isso, podemos aprender muito aqui, e é por isso que muitas organizações estão vindo."

Leia mais