Fórum mundial da mídia discute uso da web pela juventude | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Fórum mundial da mídia discute uso da web pela juventude

Pais de adolescentes reclamam que os filhos perderam o contato com a mídia tradicional: eles não assistem televisão nem ouvem rádio, tampouco leem jornais. Mas, para os jovens, internet pode ser mais que entretenimento.

default

Na Alemanha, quase 100% dos adolescentes entre 14 e 19 anos têm alguma forma de acesso à internet. Há dez anos, essa cifra era de 5%. Nunca antes na história da humanidade, um meio de comunicação de massa cresceu tão rapidamente quanto a internet.

Mas o que os adolescentes estão fazendo na web? Apenas teclando em sala de bate-papo, assistindo a vídeos através do portal YouTube ou brincando de jogos eletrônicos como o World of Warcraft? Ou estaria surgindo algo novo? Pode-se falar de uma cultura de mídia juvenil?

Reunidos em Bonn, especialistas e representantes da mídia tradicional e eletrônica discutiram no Deutsche Welle Global Media Forum se, para os jovens de hoje, as novas mídias seriam somente entretenimento ou um meio de comunicação que, através de ferramentas interativas e das possibilidades de formação de redes sociais virtuais, faz as mídias tradicionais parecerem desinteressantes.

Informação versus entretenimento

Global Media Forum 2009 The young generation

Gigli: existe uma cultura juvenil de mídia?

Para a norte-americana Susan Gigli, executiva-chefe de operações da agência de pesquisas e análises de mídia InterMedia, a primeira pergunta a ser colocada é se existe uma cultura juvenil de mídia. A resposta, para ela, é clara: sim.

Jovens são abertos a mudanças e inovações, têm um otimismo inerente e são bastante sociáveis, usando a mídia, entre outras coisas, para distribuir conteúdos. Mas tal cultura não é completa, pois estaria distante de ser universal, já que está sujeita a diferenças de gênero, sócio-econômicas, educacionais, étnicas etc.

Gigli afirma que, de fato, a maioria dos jovens usa as novas mídias para seu entretenimento. A grande questão seria, no entanto, como levar a informação a eles.

Plataforma certa com conteúdo certo

Para Guido Baumhauer, diretor de estratégia, marketing e distribuição da Deutsche Welle, se uma história é boa, ela deverá agradar a todos, jovens ou adultos. A internet, todavia, transformou a mídia linear, que ditava o que devíamos ver ou ouvir, em não linear, mudando a forma de acesso ao conteúdo.

Jugendlichen und Neue Medien

Os jovens e as novas mídias: mais que entretenimento?

O que antes era uma emissora é hoje uma produtora de conteúdo, afirma Baumhauer. Não se fala mais em transmissão de mensagens, mas em distribuição das mesmas. Através das novas mídias, todos podem ser consumidores e também produtores de conteúdo.

Paralelamente às empresas de mídia, há hoje uma imensa quantidade de websites, podcasts e blogs produzidos por indivíduos, grupos e organizações. Como é possível então para a mídia tradicional levar informação de qualidade aos mais jovens?

Para Baumhauer, a resposta está na produção de conteúdos que podem servir ao maior número possível de plataformas. A solução estaria em combinar a plataforma certa (internet, celular, rádio, TV) com o conteúdo certo.

Como exemplo, Baumhauer citou o sucesso dos weblogs no Irã, que exerce forte censura sobre as mídias tradicionais, como jornal, rádio e TV. Já a internet, argumenta, não é tão controlada quanto na China, por exemplo. Em um país como o Irã, a web seria uma plataforma mais adequada que o rádio para atingir um público mais jovem.

Informações de base

Brooke Unger, correspondente da revista The Economist na Alemanha que participou do painel de discussões, explicou que a publicação, apesar de representar a imprensa tradicional, faz um grande sucesso entre os jovens. Sua circulação chegou mesmo a dobrar nos últimos dez anos.

Para a pesquisadora da InterMedia, o segredo do sucesso da The Economist está no fato de ter uma linha clara e produzir conteúdo de qualidade, com informações de base, que continuam sendo necessárias e bem-recebidas pelos mais jovens.

Autor: Carlos Albuquerque

Revisão: Rodrigo Abdelmalack

Leia mais