Fãs de todos os continentes se despedem de Michael Jackson | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 07.07.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Fãs de todos os continentes se despedem de Michael Jackson

A cerimônia fúnebre realizada 12 dias após a morte do ídolo da música pop é transmitida ao vivo por rádio, televisão e internet. Em grandes cidades na Alemanha, multidões se reúnem para acompanhar o evento em telões.

Depois de morrer aos 50 anos, Michael é enterrado em Los Angeles, EUA

Depois de morrer aos 50 anos, Michael é enterrado em Los Angeles, EUA

Músicas antigas estão de volta à lista das mais tocadas, fóruns na internet espalham rumores e mensagens de admiração pelo ídolo e programas de TV exploram detalhes minuciosos da vida de quem é citado em todo o planeta como o "rei do pop". Em todos os continentes, o cenário que marca a despedida de Michael Joseph Jackson é semelhante.

Fãs na entrada do Staples Center pouco antes da cerimônia fúnebre

Fãs na entrada do Staples Center pouco antes da cerimônia fúnebre

O rapaz que nasceu em 1958 em Gary, no estado de Indiana, EUA, é sepultado nesta terça-feira (07/07) em Los Angeles. Também lá, uma grande cerimônia fúnebre com início às 14h (horário de Brasília) reúne, mais uma vez, várias etnias e gerações de todo o mundo para a despedida oficial de Michael.

Cerca de 1,6 milhão de pessoas participaram da loteria feita na internet que tinha como prêmio ingressos para assistir à cerimônia em Los Angeles de perto. De todos os internautas que tentaram, apenas 17,5 mil conseguiram os ingressos.

Além dos sorteados, 2 mil repórteres credenciados devem se juntar aos fãs para mostrar ou narrar o evento, que será realizado no Staples Center e no Nokia Theater. A grande estrela da festa não estará no palco, mas músicos renomados como Stevie Wonder, Mariah Carey, Usher e Lionel Richie lhe prestarão homenagem interpretando, mais uma vez, seus maiores sucessos.

Por mais que o acesso à arena do Staples Center seja restrito a quem possui ingressos, a própria polícia de Los Angeles tem se preparado para impedir que mais de meio milhão de fãs tentem furar o bloqueio. Para evitar transtornos e frustração, quem não teve sorte na loteria da internet pode ficar em casa acompanhando a homenagem pela televisão.

Na Alemanha

Várias emissoras de rádio e de TV devem transmitir a cerimônia fúnebre ao vivo para todo o mundo – isso sem contar os vídeos e textos publicados em "tempo real" na internet. Ao todo, é previsto que o número de pessoas assistindo ao tributo de Michael Jackson ultrapasse o que acompanhou a despedida da princesa Diana em 1997.

Michael Jackson durante um show realizado em Hamburgo, Alemanha, em agosto de 1992

Michael Jackson durante um show em Hamburgo, em agosto de 1992

Na televisão alemã, vários canais transmitem o dia todo boletins de notícias e acompanham o evento ao vivo. Em Berlim, oito telões montados em círculo no centro da arena do O2 World, próximo à estação de trem Ostbahnhof, também transmitem a despedida de Michael Jackson ao vivo. Seguindo o mesmo princípio do evento em Los Angeles, também o evento na O2 World tem entrada gratuita. "Queremos demonstrar nosso pesar à família Jackson", justifica Tim Leiweke, porta-voz dos organizadores.

Em Colônia, uma multidão deve se juntar aos fãs-clubes Neverland e Malibu para acompanhar a despedida do ídolo na Califórnia. A cerimônia será projetada em um centro de exposições ao lado da estação central de trem da cidade. A entrada também é gratuita.

Sucessos de volta ao topo da lista Mesmo depois de sua morte, Michael Jackson continua fazendo sucesso. Com quatro álbuns entre os dez atualmente mais vendidos na Alemanha, pode-se arriscar dizer que o rei do pop alcançou o auge de sua carreira uma semana após sua morte.

Acostumado com o sucesso desde cedo, o pequeno Michael mostra cartas enviadas por fãs em 1972

Acostumado com o sucesso desde cedo, o pequeno Michael mostra cartas enviadas por fãs em 1972

Segundo dados divulgados pelo Instituto de Pesquisas Media Control, o astro ocupa os dois primeiros lugares na lista dos álbuns mais vendidos, com King of Pop e Thriller, respectivamente. O sétimo lugar também é seu, com Number Ones, e o nono, com Bad.

Dentre os singles, Jackson tem os sucessos Earth Song, Beat It, Billie Jean, Heal The World, Dirty Diana e They Don't Care About Us na lista dos 30 mais vendidos.

Ninguém mais vai poder ver Michael ao vivo. Porém, os fãs que não se conformam com a despedida podem ainda assistir a shows que levam, de agora em diante, um pouco da voz, das letras, das roupas, da sincronia entre passos, iluminação e som do astro aos públicos saudosistas.

Thriller é um desses shows. Resumindo a vida do "rei do pop" com seus maiores sucessos, o espetáculo Thriller deve estrear na Alemanha em 22 de julho, na cidade de Munique. Segundo Georg Kleesattel, do Deutsches Theater de Munique, os ingressos já estão esgotados.

Exagero? O especialista em mídia alemão Jo Groebel acredita que Mickael Jackson definiu um período da música que acaba de se encerrar. "Com a morte de Michael, provavelmente a era da música pop também morre", comenta o experto.

Para Hubert Wandjo, Jackson gozava de uma popularidade internacional maior do que Elvis Presley e os Beatles. Hubert é coordenador do curso de Negócios Musicais (Musikbusiness) na academia pop de Baden-Württembergo. Com seu conhecimento na área musical, ele arrisca prever que, daqui a 50 anos, Jackson ainda será lembrado com o "rei do pop".

EH/ap/dpa

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais